Facebook pede desculpas após publicações sobre terremoto na Indonésia receberem animação comemorativa

Um terremoto de magnitude 6,9 ​​atingiu a ilha turística de Lombok no domingo, matando pelo menos 347 pessoas e deixando milhares de desabrigados, segundo a agência estatal de notícias Antara.

Facebook pede desculpas após publicações sobre terremoto na Indonésia receberem animação comemorativa
Facebook pede desculpas após publicações sobre terremoto na Indonésia receberem animação comemorativa
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

(Thomson Reuters Foundation) - O Facebook pediu desculpas nesta quarta-feira após mensagens de usuários sobre o terremoto na Indonésia aparecerem na mídia social decoradas com imagens de balões e confetes.

Um terremoto de magnitude 6,9 ​​atingiu a ilha turística de Lombok no domingo, matando pelo menos 347 pessoas e deixando milhares de desabrigados, segundo a agência estatal de notícias Antara.

Muitos indonésios escreveram mensagens no Facebook usando a palavra na língua local ‘selamat’ - que pode significar ‘seguro’ mas também ‘parabéns’ - provocando animações comemorativas.

“O recurso (de animações automáticas para ‘parabéns’ em publicações) está amplamente disponível no Facebook globalmente”, disse uma porta-voz da maior rede social do mundo em comunicado.

“No entanto, lamentamos que tenha aparecido nesse contexto infeliz e, desde então, o recurso foi desativado localmente.”

Uma crise humanitária assombra Lombok, que foi abalada por outro terremoto no mês passado que matou 17 pessoas, com milhares de vítimas do desastre de domingo precisando de água limpa, comida, remédios e abrigo, segundo agências de ajuda.

Muitas pessoas na ilha têm usado o recurso de verificação de segurança do Facebook, lançado em 2014, que permite que os usuários notifiquem seus amigos e parentes que estão seguros após desastres.

No entanto, as empresas de mídia social devem tomar precauções ao projetar recursos para serem usados ​​durante desastres como o terremoto de Lombok, segundo Siane Monreal, gerente de mídia social do Comitê Internacional da Cruz Vermelha.

“Imagine se você estivesse esperando por horas sem notícias de seus entes queridos. Você teme pelo pior. Então, finalmente, você vê no Facebook que eles estão bem - e então você vê balões”, disse ela à Thomson Reuters Foundation.

“Isso não é uma celebração e não é apropriado.”

Por Brittany O'Neill

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247