Geddel quer demissão de assessor de Henrique Alves

Francisco Bruzzi, que é um dos braços direitos de Henrique Eduardo Alves, favorito para assumir a presidência da Câmara dos Deputados, é acusado de receber propina de uma empreiteira; "Henrique Eduardo Alves tem que afastá-lo hoje, agora", diz Geddel

Geddel quer demissão de assessor de Henrique Alves
Geddel quer demissão de assessor de Henrique Alves
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Vice-presidente da Caixa Econômica Federal e um dos homens fortes do PMDB, Geddel Vieira Lima quer a demissão de um assessor de Henrique Eduardo Alves, candidato à presidência da Câmara, que foi acusado de receber propina em reportagem da revista Época. Leia, abaixo, na coluna de Claudio Humberto:

Geddel cobra demissão de assessor
de Henrique Alves por corrupção

O deputado Geddel Vieira Lima (PMDB/BA) usou sua página doTwitter para cobrar a demissão e investigação de Francisco Bruzzi, assessor do deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), candidato à presidência da Câmara. “Esse Bruzzi, sempre foi uma figura bodosa,das trevas, Henrique Alves tem que afastá-lo hoje, agora e mandar investigar esse cara”, disse. A declaração foi dada ao repercutir uma matéria da revista Época, que revela que o assessor de Alves estaria envolvido em um esquema de troca de favores com Zuleido Veras, empreiteiro da construtora Gautama. Segundo a publicação, a Polícia Federal guarda provas da relação estreita entre os dois. São comprovantes de depósitos bancários, relatórios, balanços de caixa dois e gravações de conversas telefônicas feitas em 2007, durante a Operação Navalha. Em suma, Francisco Bruzzi, que ainda é assessor de Henrique Eduardo, seria uma espécie de ponte entre os interesses da construtora, relacionados a um contrato de R$ 77 milhões para a construção de uma barragem em Alagoas, e o parlamentar. Outro foco da influência de Bruzzi sobre o deputado foi a prisão de 35 pessoas na Operação Voucher, em 2010. Dentre os presos estava Frederico Silva Costa, na época, secretário-executivo do Ministério do Turismo, indicado para o cargo por Alves a pedido de Bruzzi e acusado de direcionar emendas da Pasta para empresas que tinham ligação com políticos. Questionado sobre as acusações Bruzzi afirma não se lembrar a que se referem três depósitos em seu nome e de sua esposa feitos pela Gautama, que totalizam R$ 50 mil. “Posso ter ajudado em orientações técnicas do que fazer aqui e ali. Eu posso ter feito alguma coisa em termos de captação de recursos externos, mas não me recordo exatamente o quê. É muito tempo atrás. Mas foi só isso. Foi um determinado serviço, em determinada época. Acabou. Nunca mais”, disse.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247