Golpe: PSDB quer agilizar pedido de impeachment

Líder da oposição na Câmara, deputado Bruno Araújo (PSDB-PE) defende que o partido avance na formalização de um pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff; "Chegamos ao limite de uma insatisfação clara e expressiva que deve ser construída, de forma legítima e dentro das regras constitucionais, em forma de um pedido de impeachment da presidente Dilma", disse o tucano; parlamentar afirma estar confiante de que o presidente do PSDB, senador Aécio Neves, "ouvirá de um conjunto muito expressivo da bancada federal que está na hora e o partido tem de avançar para formalizar um pedido de afastamento da presidente"; procurador-geral da República, Rodrigo Janot, não vê fatos para investigar Dilma; presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), já arquivou pedido sem ler

Líder da oposição na Câmara, deputado Bruno Araújo (PSDB-PE) defende que o partido avance na formalização de um pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff; "Chegamos ao limite de uma insatisfação clara e expressiva que deve ser construída, de forma legítima e dentro das regras constitucionais, em forma de um pedido de impeachment da presidente Dilma", disse o tucano; parlamentar afirma estar confiante de que o presidente do PSDB, senador Aécio Neves, "ouvirá de um conjunto muito expressivo da bancada federal que está na hora e o partido tem de avançar para formalizar um pedido de afastamento da presidente"; procurador-geral da República, Rodrigo Janot, não vê fatos para investigar Dilma; presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), já arquivou pedido sem ler
Líder da oposição na Câmara, deputado Bruno Araújo (PSDB-PE) defende que o partido avance na formalização de um pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff; "Chegamos ao limite de uma insatisfação clara e expressiva que deve ser construída, de forma legítima e dentro das regras constitucionais, em forma de um pedido de impeachment da presidente Dilma", disse o tucano; parlamentar afirma estar confiante de que o presidente do PSDB, senador Aécio Neves, "ouvirá de um conjunto muito expressivo da bancada federal que está na hora e o partido tem de avançar para formalizar um pedido de afastamento da presidente"; procurador-geral da República, Rodrigo Janot, não vê fatos para investigar Dilma; presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), já arquivou pedido sem ler (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Pernambuco 247 - O líder da oposição na Câmara Federal, deputado Bruno Araújo (PSDB-PE), quer que o partido acelere a formalização de um pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff. O parlamentar disse que deverá levar o sentimento da bancada ao presidente da legenda, o senador Aécio neves (PSDB-MG), durante a reunião que a cúpula da sigla realizará nesta terça-feira 14, em Brasília, e diz estar "confiante" que o senador ouvirá os tucanos.

"Minha posição é a de que chegamos ao limite de uma insatisfação clara e expressiva que deve ser construída, de forma legítima e dentro das regras constitucionais, em forma de um pedido de impeachment da presidente Dilma", afirmou. Em sua avaliação, Aécio Neves "ouvirá de um conjunto muito expressivo da bancada federal que está na hora e o partido tem de avançar para formalizar um pedido de afastamento da presidente por todos os fatos que o Brasil conhece".

Adiantando críticas por parte dos petistas, o deputado já rebateu: "Não venha o PT falar em golpe porque eu li na tribuna da Câmara um pedido de impeachment assinado por José Genoino (ex-presidente do PT) contra Fernando Henrique Cardoso. Todos sabem onde está José Genoino e onde está FHC. O PSDB tem de evoluir pra isso, essa será minha defesa dentro do partido. A partir de amanhã seguramente teremos a discussão política a respeito disso", disparou.

Bruno Araújo justificou a ideia do impeachment utilizando como base as delações premiadas no âmbito da Operação Lava Jato que dizem que parte do dinheiro desviado de contratos da Petrobras teria sido entregue ao tesoureiro do PT, João Vaccari Neto. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, dispensou por duas vezes o pedido feito pela oposição para que a presidente seja investigada. Janot disse aos parlamentares da oposição não ver motivos fáticos para isso (leia mais). No Congresso, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), arquivou sem ler um pedido de impeachment feito pelo deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ). "Beija o ilegal e o inconstitucional", justificou.

Para Bruno Araújo, porém, "há diversos elementos" para a abertura do processo. "Do ponto de vista subjetivo e moral, mostrar que a presidente dizia (durante a campanha eleitoral) uma coisa e faz outra hoje que, embora por si só não seja suficiente para uma cassação, mas o conjunto da obra, não tenho dúvida que, de ordem política, pode ser discutido pelo Congresso Nacional. Por isso não vejo, do ponto de vista política, como não haver com brevidade um processo de impeachment da presidente da República, substanciado, construído com responsabilidade, assinado por juristas que dão qualidade a essa representação e que de forma democrática o Congresso processe", explicou.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247