Governo pode acionar justiça para evitar aquartelamento de PMs

A Procuradoria Geral do Estado (PGE) pretende acionar a Justiça caso os manifestantes rejeitem a proposta e mantenham o aquartelamento; é que os policiais militares de Alagoas estão a mobilizados e pressionam o governo estadual por reajuste salarial; o problema é que além do impacto financeiro, a administração pública está impedida de realizar qualquer reposição salarial devido ao processo eleitoral

A Procuradoria Geral do Estado (PGE) pretende acionar a Justiça caso os manifestantes rejeitem a proposta e mantenham o aquartelamento; é que os policiais militares de Alagoas estão a mobilizados e pressionam o governo estadual por reajuste salarial; o problema é que além do impacto financeiro, a administração pública está impedida de realizar qualquer reposição salarial devido ao processo eleitoral
A Procuradoria Geral do Estado (PGE) pretende acionar a Justiça caso os manifestantes rejeitem a proposta e mantenham o aquartelamento; é que os policiais militares de Alagoas estão a mobilizados e pressionam o governo estadual por reajuste salarial; o problema é que além do impacto financeiro, a administração pública está impedida de realizar qualquer reposição salarial devido ao processo eleitoral (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Cada Minuto - Pode ser decidida na Justiça, a mobilização dos policiais militares, que pressionam o Governo do Estado por um reajuste salarial, que seria uma recompensa da inflação. A Procuradoria Geral do Estado (PGE) pretende acionar a Justiça caso os manifestantes rejeitem a proposta e mantenham o aquartelamento.

Além do impacto nos recursos financeiros, o governo agora se encontra impedido realizar qualquer reposição salarial devido ao processo eleitoral. Segundo a regra da eleição de 2018, publicada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), aumento agora só a posse do governador eleito.

 As entidades representativas da Polícia Militar e dos bombeiros negaram a proposta de reajuste salarial de 10% apresentada pelo governo do Estado e decidiram por manter a Operação Padrão.

Eles pedem um reajuste de 29% como foi concedido aos delegados da Polícia Civil de Alagoas.

Proposta negada

O reajuste salarial apresentado pelo Governo inicialmente foi de 6%, como não foi aceito se chegou um valor de 10% dividido em quatro anos pagando 4% em 2019 e 2% nos anos seguintes, concluindo o calendário em 2022.

A Secretaria de Planejamento, Gestão e Patrimônio (Seplag) disse em nota que qualquer reajuste acima disso comprometeria as finanças do Estado e forçaria o mesmo a descumprir o acordo firmado com a União, para o prolongamento do pagamento do serviço da dívida pública alagoana.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247