Greve continua em dia de jogo da Seleção em SP

Metroviários baixam proposta de reajuste salarial, mas Companhia do Metrô não cede nem dá catraca livre; caos contratado nesta quinta-feira 5 para hoje, dia de jogo da Seleção Brasileira em São Paulo; categoria pediu 12,5%, mas estatal paulista manteve 8,7%; assembleia negou operar 70% das linhas em horários de pico; sindicato pode levar multa milionária; governador Geraldo Alckmin reclama: "Não pode haver essa intransigência de grupos políticos que usam o sindicatos"; vida da cidade é revirada a seis dias da abertura do Mundial; marchas de sem teto previstas para o estádio do Morumbi, onde Neymar, Hulck e outros nove se apresentam contra Sérvia, às 16h00; jogo de risco grau 10

Metroviários baixam proposta de reajuste salarial, mas Companhia do Metrô não cede nem dá catraca livre; caos contratado nesta quinta-feira 5 para hoje, dia de jogo da Seleção Brasileira em São Paulo; categoria pediu 12,5%, mas estatal paulista manteve 8,7%; assembleia negou operar 70% das linhas em horários de pico; sindicato pode levar multa milionária; governador Geraldo Alckmin reclama: "Não pode haver essa intransigência de grupos políticos que usam o sindicatos"; vida da cidade é revirada a seis dias da abertura do Mundial; marchas de sem teto previstas para o estádio do Morumbi, onde Neymar, Hulck e outros nove se apresentam contra Sérvia, às 16h00; jogo de risco grau 10
Metroviários baixam proposta de reajuste salarial, mas Companhia do Metrô não cede nem dá catraca livre; caos contratado nesta quinta-feira 5 para hoje, dia de jogo da Seleção Brasileira em São Paulo; categoria pediu 12,5%, mas estatal paulista manteve 8,7%; assembleia negou operar 70% das linhas em horários de pico; sindicato pode levar multa milionária; governador Geraldo Alckmin reclama: "Não pode haver essa intransigência de grupos políticos que usam o sindicatos"; vida da cidade é revirada a seis dias da abertura do Mundial; marchas de sem teto previstas para o estádio do Morumbi, onde Neymar, Hulck e outros nove se apresentam contra Sérvia, às 16h00; jogo de risco grau 10 (Foto: Sheila Lopes)

247 – O caos está contratado. A Companhia do Metropolitano não fez qualquer contraproposta ao rebaixamento do pedido de reajuste salarial feito em reunião de conciliação nesta quinta-feira 5, pelo Sindicato dos Metroviários. Resultado: além da difícil volta para casa ontem à noite, está tudo acertado para que hoje cedo a maior metrópole do País tenha um dia revirado. 

Hoje, pelo menos 4,5 milhões de pessoas foram afetadas diretamente pelo movimento grevista, que teve a associação de uma paralisação entre os orientadores de trânsito da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). Apesar de baixarem a pedida para 12,5% de reajuste, os metroviários não irão cumprir a legislação que obriga o funcionamento de pelo menos 70% das linhas em horários de pico. O sindicato poderá sofrer uma multa milionária. A Companhia do Metrô recusou abrir as catracas para atenuar os prejuízos à população. A greve deverá ser considerada ilegal pela Delegacia Regional do Trabalho ainda nesta sexta-feira.

- Essa abusividade vai ser punida, repetiu o governador Geraldo Alckmin.

Pode ser, mas, antes disso, uma situação limite vai ocorrer. A Seleção Brasileira já chegou a São Paulo para o último amistoso antes da abertura da Copa do Mundo, que também será na capital paulista, no dia 12. Nesta sexta-feira 6, o jogo, amistoso, é contra a Sérvia, no estádio do Morumbi. A partida vai ser disputada às 16h00, em pleno meio da tarde.

Nesta quarta, 12 mil manifestantes marcharam em direção ao estádio do Itaquerão, na Zona Leste. A principal avenida da região, a Radial Leste, foi fechada por várias horas. Grupo prometeu trégua a presidente Dilma nesta sexta. Será, portanto, um jogo em que a maior atração esportiva, dentro da Seleção Brasileira, será o camisa 10 Neymar. O teste também terá o grau de risco 10.  

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247