Heitor Férrer defende ampliação das redes primária e secundária de saúde

Na terceira entrevista do Ceará247 com os candidatos à Prefeitura de Fortaleza, Heitor Férrer (PSB) apresentou propostas como a ampliação das redes primária e secundária para desafogar os grandes hospitais, criticou a construção do IJF2, disse que não pretende armar a Guarda Municipal e que irá investir em políticas públicas que quebrem os mecanismos geradores da violência

Na terceira entrevista do Ceará247 com os candidatos à Prefeitura de Fortaleza, Heitor Férrer (PSB) apresentou propostas como a ampliação das redes primária e secundária para desafogar os grandes hospitais, criticou a construção do IJF2, disse que não pretende armar a Guarda Municipal e que irá investir em políticas públicas que quebrem os mecanismos geradores da violência
Na terceira entrevista do Ceará247 com os candidatos à Prefeitura de Fortaleza, Heitor Férrer (PSB) apresentou propostas como a ampliação das redes primária e secundária para desafogar os grandes hospitais, criticou a construção do IJF2, disse que não pretende armar a Guarda Municipal e que irá investir em políticas públicas que quebrem os mecanismos geradores da violência (Foto: Rodrigo Rocha)

Ceará247 - Na corrida eleitoral pelo PSB, Heitor Férrer apresentou suas propostas para as áreas da saúde, educação, mobilidade urbana, segurança, política e economia na terceira entrevista do Ceará247 com os candidatos à Prefeitura de Fortaleza.

O deputado federal defendeu a ampliação das redes primária e secundária de saúde para desafogar os grandes hospitais e criticou a construção do IJF2, prometeu implantar o projeto Aluno em Tempo Integral e investir na qualificação dos professores. Na área da segurança, Heitor disse que não pretende armar a Guarda Municipal e que irá concentrar esforços na instalação de câmeras de segurança e na aplicação de políticas públicas que quebrem os mecanismos que geram a violência. 

Saúde

Ceará247 - O atendimento de saúde é um dos principais problemas apontados pela população de Fortaleza.  A rede municipal parece não atender à demanda da população. Como o(a) senhor(a) pretende resolver o problema?

Heitor Férrer - No nosso ponto de vista, a resolução dos problemas da saúde na Capital é simples, passa pelo bom atendimento com resolutividade. Isso é feito garantindo-se o atendimento médico e medicamentos nos postos de saúde, ampliando-se os Frotinhas e reestruturando os Gonzaguinhas. Devemos fazer um inventário dos postos de saúde para não deixar faltar medicamentos e profissionais. Nos Frotinhas e Gonzaguinhas, a intenção é ampliar o número de leitos em até 100% para atender a periferia e desafogar o Frotão, o Instituto Doutor José Frota. 

Ceará247 - A manutenção do IJF compromete praticamente quase toda a arrecadação do IPTU de Fortaleza. Com a ampliação para o IJF II, esse custo deve aumentar ainda mais. Qual a sua proposta para garantir o funcionamento adequado desses equipamentos?

Heitor Férrer -  A construção do IJF II foi proposta nossa de campanha para a Prefeitura de Fortaleza, em 2012. Mas entendemos que o que é prioridade em um momento pode deixar de ser em outro e é importante reconhecer quando nos equivocamos em uma ideia. Logo após o pleito, conversamos com vários colegas médicos, inclusive administradores do IJF Centro (Frotão). Após essas conversas, e zelando por nossa credibilidade, vimos como equivocada a promessa de construção de outro IJF enquanto não se busque a ampliação dos Frotinhas, para que eles possam filtrar os atendimentos que chegariam ao Frotão. Faz-se necessário ressaltar ainda que quando propomos a construção da nova unidade a situação econômica do País era outra. Hoje estamos diante de uma economia enfraquecida e os municípios enfrentam grandes problemas financeiros. Vimos cair por terra promessas de construção de novos hospitais como solução para a situação da saúde em nosso estado sem a disponibilidade de verbas para o custeio. Hoje, temos equipamentos construídos e inaugurados, mas sem condições de funcionamento. O orçamento do município é uma soma de R$ 7 bilhões, o custeio da máquina e o pagamento dos servidores públicos leva R$ 6 bilhões, sobra ao ano R$ 1 bilhão. Prometer fora disso é mentira. Uma das maneiras de trabalhar esse custeio será utilizar recursos e repasses da União, por meio de convênios. 

Ceará247 - Um dos problemas do IJF é o grande número de atendimentos de pacientes de outros municípios que vem para Fortaleza. Como o(a) senhor(a) pretende lidar com esse problema?

Heitor Férrer -  A solução dos problemas enfrentados pelo IJF Centro estaria na ampliação do atendimento básico dos postos de saúde, UPA’s, Frotinhas e Gonzaguinhas, para que eles possam filtrar os atendimentos que chegariam ao Frotão. Enquanto não houver por parte do administrador a sensibilidade de ver que a resolução dos problemas do Frotão e da saúde na cidade de Fortaleza passa pela ampliação dessas redes primária e secundária, pode-se construir o IJF 2, 3, 4, 5 e 10 que, ainda assim as dificuldades continuarão as mesmas. O atual prefeito gasta quase 29% com saúde. Tem o (Instituto Doutor) José Frota, que é um grande sorvedor de recursos, por conta da complexidade das doenças que lá chegam, e temos os postos e os Frotinhas. Se você conseguir fazer um bom atendimento na atenção primária, você evita que o paciente chegue na terciária, isso acontece se você  fizer com que os postos funcionem. 

Educação

Ceará247 - Escola de tempo integral é apontada como alternativa de solução para a melhoria da qualidade do ensino e para enfrentar a violência urbana que atinge principalmente jovens na periferia de Fortaleza.  O(a) senhor(a) pretende implantar quantas escolas de tempo integral (ensino fundamental I e II) em Fortaleza?

Heitor Férrer -  No nosso programa de governo temos a proposta de implantar o projeto Aluno de Tempo Integral, que visa oferecer atividades no contra turno para que crianças e jovens tenham sua rotina ocupada por ações dentro da escola. Isso precisa ser feito de forma gradual, dentro do que o orçamento do município permite. 

Ceará247 - A CF, art. 208, IV assegura o direito à educação infantil, tendo como primeira etapa do processo de educação básica o atendimento em creche e o acesso à pré-escola. Como  o(a) senhor(a) pretende universalizar o atendimento da prerrogativa constitucional? 

Heitor Férrer -  O ensino básico está definido na Constituição como Ensino Fundamental, o que detona a importância nessa fase de formação do aluno sob responsabilidade da administração pública municipal. Fortaleza é a cidade mais rica do estado do Ceará e, dentre os 184 municípios, está na classificação 157 na qualidade de ensino fundamental, portanto uma posição vergonhosa. O caminho para melhorar a escola pública passa pela qualificação dos professores, melhoria das instalações escolares, tornando-as mais aprazíveis, ampliando gradativamente a escola de tempo integral e estabelecendo metas para cada série concluída. 

Ceará247 - Qual será a sua política de valorização dos professores, categoria fundamental para uma educação de qualidade?

Heitor Férrer -  O quadro de professores do município e o resultado da educação em Fortaleza tem de ser reavaliado. Se gasta por aluno na rede municipal R$ 532 por mês. Com esse valor você paga uma boa escola particular, com resultados diferentes dos da escola pública. Por que que uma escola particular nesse valor tem um resultado satisfatório da educação de quem está matriculado lá e a escola pública não tem? É uma questão de gestão. Há de se ter um compromisso do gestor com os que fazem a educação pública para cobrar resultados. A gente tem que fazer com que haja uma qualificação dos professores. Esse nível de qualificação não está dando resultados e cabe ao município requalificá-los. Isso é um estudo de gestão também. O gestor tem de saber onde está o problema. Temos que qualificar o professor, temos que determinar metas da escola pública e temos que cobrar esses resultados. E quem é que faz isso? Os técnicos de administração municipal da área de educação e os que vão gerenciar essa área: secretários, colaboradores, os cargos comissionados que devem ser técnicos e não políticos. Ninguém pode fazer uma administração pública para dar aos indicados pelos políticos a condição de gerenciar um sistema como esse. 

Mobilidade e urbanismo

Ceará247 - Fortaleza cresceu de forma desordenada nos últimos anos. A mobilidade tem se colocado como um grave problema. Os últimos gestores tem investido em alternativas que apenas amenizam o problema. O transporte público é apontado como a única solução possível. Qual a sua proposta para o problema da mobilidade?

Heitor Férrer -  Em mobilidade urbana é preciso desenvolver políticas de transporte e circulação que visem proporcionar o acesso amplo e democrático ao espaço urbano, de maneira efetiva, socialmente inclusiva e ecologicamente sustentável. Sabemos que a melhor maneira de eliminarmos o transtorno que vivenciamos no trânsito com engarrafamentos diuturnos é a retirada do carro das vias públicas e isso só será efetivamente concretizado se tivermos um meio de transporte de massa construído na cidade de Fortaleza. Isto foi proposto e aguardamos ansiosamente a execução da linha leste do Metrô, um legado da Copa, ainda sem previsão de sua conclusão. Sem a concretização e a feitura desse nosso metrô, nós vamos padecer desse trânsito caótico, trágico até que ele seja resolvido através de um transporte de massa. Se não for feito tudo é paliativo, porque a cada mês são 5 mil carros que nós temos na cidade de Fortaleza, a mais. Enquanto isso, temos que otimizar o transporte coletivo que dispomos, o transporte complementar e a utilização de bicicletas, ampliando as ciclofaixas. 

Ceará247 - Fortaleza é uma cidade com poucas áreas verdes, poucas praças e ocupação inadequada dos espaços públicos, incluindo ruas e calçadas. Como  o(a) senhor(a) pretende enfrentar a problemática do ordenamento urbano? 

Heitor Férrer -  Os espaços físicos estão quase todos ocupados. Vamos dar vida às praças que já existem e iniciar, já sabemos que é um longo processo, a uniformização das calçadas, definidas tecnicamente como passeios. As calçadas de Fortaleza são uma tragédia e elas tornam, por exemplo, os deficientes físicos e visuais prisioneiros da cidade. Essas calçadas foram construídas de maneira desordenada, por falta de presença e fiscalização do poder público, tornando os deficientes físicos e visuais reféns dessas péssimas construções ao longo dos anos em Fortaleza. 

Segurança

Ceará247 - O(a) senhor(a) concorda com a proposta de armar a Guarda Municipal e ampliar suas atribuições na segurança pública? 

Heitor Férrer - A princípio, não vamos armar a Guarda Municipal. Cabe ao Estado guardar o cidadão e evitar que os vitimados nos vitime. Os gestores devem atuar para quebrar os mecanismos geradores de violência.  O primeiro item que gera a violência é a pobreza. Ela é geradora da desesperança. Países desenvolvidos têm pobreza, mas com igualdade social. A população mais pobre tem, nessas nações, moradia, lazer, cultura, educação, saneamento. Lá as pessoas têm a perspectiva de que podem sair da pobreza. Não há estado pior, do que o de pobreza com desigualdade social, porque não dá esperança para ninguém de sair da situação cruel onde se encontra.Cid Gomes recebeu o governo com um índice de 1.776 homícidios por ano e entregou com 4.439 homicídios por ano, um percentual de 149% a mais,  mesmo tendo feito concurso para a Polícia Militar, aumentando o efetivo de 12 mil para 16 mil policiais, mostrando claramente que se não existirem outras políticas públicas só polícia não resolve. Mente quem diz que sim. 

Ceará247 - Que outras propostas  o(a) senhor(a) tem para o problema da violência urbana?

Heitor Férrer - É responsabilidade dos gestores municipais aplicar políticas públicas que quebrem os mecanismos que geram a violência. O que resolve a violência são políticas de Segurança Pública nas mais diversas áreas, na Saúde, em Educação, Iluminação Pública, Moradia, Emprego, Lazer e Renda. Isso dá paz para a sociedade. Temos a ideia ainda de fazer a maior instalação de câmeras da cidade, para tentar inibir a criminalidade, fazendo de Fortaleza praticamente um 'Big Brother'. A Polícia será o último grito a ser dado; o que o administrador tem que fazer é evitar que a violência se instale a partir da omissão das políticas públicas. 

Política

Ceará247 - Em Fortaleza, os prefeitos sempre têm conseguido manter uma folgada maioria na Câmara Municipal, negociando apoios em torno de cargos e outros pleitos dos vereadores. Como  o(a) senhor(a) pretende estabelecer a relação com os vereadores para conseguir ter maioria?

Heitor Férrer -  Não vou usar a prática do “toma lá, dá cá”. Vou manter uma relação com a Câmara dos Vereadores respeitando profundamente os representantes populares e apresentando a eles situações que atendam à demanda da sociedade. Portanto, o apoio que nós vamos buscar ter na Câmara dos Vereadores é um apoio que reflete o apoio que eles tiveram nas urnas nas suas eleições. Nós vamos encaminhar matérias para a Câmara que sejam de extremo interesse da sociedade e, com isso, não podemos imaginar que algo que seja interessante para a cidade os representantes da sociedade possam se colocar contrários. Então, essa relação será extremamente cordial, respeitosa e frutífera.  

Ceará247 - Qual a sua expectativa de relacionamento com o Governo do Estado?

Heitor Férrer - O Governo do Estado, o Governo Federal e o Governo Municipal são governos do mesmo povo. Nós não podemos achar que o prefeito de Fortaleza, por não ser do partido do governador, o governador deixe de estabelecer políticas no sentido de prestigiar e melhorar o atendimento das demandas sociais. É inimaginável que o governo do Ceará, por não ser do mesmo partido do prefeito de Fortaleza, não continue com as mesmas políticas de convênios e de ajuda aos municípios. 

Ceará247 - Como  o(a) senhor(a) analisa o momento conturbado da política brasileira?  O(a) senhor(a) é contra ou a favor do "impeachment" ou  "golpe" que afastou a presidenta Dilma Rousseff?

Heitor Férrer - Obviamente o partido precisava tomar posições e se colocou a favor do impeachment. A análise que fazemos, não só eu, é que como o impeachment teve viés puramente político, sem sustentação jurídica. Há uma temeridade para qualquer governo democrático. Isso fragiliza a democracia. 

Ceará247 - Como  o(a) senhor(a) avalia o governo interino do vice-presidente Michel Temer?

Heitor Férrer - O governo ainda está se iniciando. Deverão vir reformas e precisamos estar atentos a essas reformas, porque pode ser que haja aí um interesse de tirar do trabalhador conquistas históricas, incorporadas ao dia-a-dia do trabalhador. Portanto, é preciso acompanharmos muito de perto, não só os congressistas, mas toda sociedade brasileira. 

Economia

Ceará247 - Na sua avaliação, quais são as perspectivas de melhoria ou piora do cenário econômico nacional?

Heitor Férrer - Com o novo governo há uma certa esperança de que as pessoas deixarão de ter medo e passarão a dar mais crédito ao governo. Governo que tem mais crédito capta mais investidores e o que o Brasil precisa é de investidores, tanto nacionais quanto internacionais. 

Ceará247 -  O(a) senhor(a) acredita que a Prefeitura pode ter um papel de indutora do desenvolvimento econômico?

Heitor Férrer - Sim, claro que sim. A Prefeitura tem um importante papel indutor do desenvolvimento da economia e isso se dá através do microempreendedorismo, da liberação de crédito através de fundos e bancos populares, bem como de incentivos fiscais, que é uma boa política para que as pessoas possam ter Fortaleza como uma referência para montar seu negócio. Isso é importante para que as pessoas possam fazer seus pequenos negócios, gerando emprego e renda.

Ceará247 - Como o(a) senhor(a) pretende incentivar o desenvolvimento econômico de Fortaleza? 

Heitor Férrer - A vocação da cidade de Fortaleza é para a atividade de serviço. Corresponde a 67% da nossa economia, o que detona que nossa vocação turística deva ser bem explorada e incentivada.Temos que buscar os microempreendedores e facilitar ao máximo a implantação das microempresas, principalmente nas áreas mais carentes, social e economicamente. Facilitar a vida de quem quer empreender é o primeiro passo para a criação de emprego e renda. Um desses mecanismos é desburocratização para que as pessoas possam implantar seus empreendimentos dentro da maior brevidade. Outro ponto importante é investir em formação. A educação é libertadora, temos a pretensão de criar os centros vocacionais tecnológicos, distribuídos nas regionais, preparando o cidadão e a cidadã para se inserirem no mercado de trabalho.

Ceará247 - Quais seriam os setores prioritários de investimento neste sentido? 

Heitor Férrer - A vocação da cidade de Fortaleza é para a atividade de serviço. Os setores da gastronomia, turismo e da qualificação em tecnologia são alguns que merecem uma maior atenção nesse sentido, devendo, por isso, serem bem explorados e incentivados.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247