Incluído na lista de Janot, Bruno Araújo diz que seguiu legislação

Ministro das Cidades, Bruno Araújo (PSDB-PE), que enquanto deputado bateu panelas contra o governo da presidente deposta Dilma Rousseff, foi incluído na lista das delações da Odebrecht enviada ao Supremo Tribunal Federal (STF) pelo procurador-geral da República Rodrigo Janot, disse que solicitou doações respeitando a legislação; "De acordo com a legislação eleitoral, solicitei doações para diversas empresas, inclusive a Odebrecht, como já foi anteriormente noticiado. O sistema democrático vigente estabelecia a participação de instituições privadas por meio de doações. Mantive uma relação institucional com todas essas empresas", disse em nota; além de Araújo, outros quatro ministros do governo Michel Temer também aparecem na lista da PGR

Deputado e ministro das Cidades, Bruno Araújo (PSDB-PE)Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Deputado e ministro das Cidades, Bruno Araújo (PSDB-PE)Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil) (Foto: Paulo Emílio)

Pernambuco 247 - O ministro das Cidades, Bruno Araújo (PSDB-PE), que foi incluído na lista das delações da Odebrecht enviada ao Supremo Tribunal Federal (STF) pelo procurador-geral da República Rodrigo Janot, disse, por meio de uma nota curta, que solicitou doações eleitorais respeitando a legislação eleitoral vigente. Além de Bruno Araújo, outros quatro ministros também aparecem na lista da PGR que pede a abertura de 83 inquéritos contra autoridades e parlamentares.

"De acordo com a legislação eleitoral, solicitei doações para diversas empresas, inclusive a Odebrecht, como já foi anteriormente noticiado. O sistema democrático vigente estabelecia a participação de instituições privadas por meio de doações. Mantive uma relação institucional com todas essas empresas", afirmou o tucano em nota. Com o envio da lista para o STF, caberá ao ministro da Corte e relator dos processos da Lava Jato, Edson Fachin, decidir os inquéritos que serão abertos.

Araújo, que foi citado na delação premiada do ex-vice-presidente de Relações Institucionais da Odebrecht Cláudio Melo Filho, disse em uma entrevista recente que conhecia o delator mas destacou que "ele [Cláudio Melo Filho] se restringe a dizer de uma relação institucional que teve comigo". Na ocasião, ele também destacou que as consequências das delações e da lista de Janot, - que na época estava em elaboração – teriam resultados na Justiça e também nas eleições. "Cada eleitor vai fazer uma leitura para cada caso específico", observou.

Confira abaixo a íntegra da nota enviada pelo ministro das Cidades Bruno Araújo, sobre o fato.

De acordo com a legislação eleitoral, solicitei doações para diversas empresas, inclusive a Odebrecht, como já foi anteriormente noticiado. O sistema democrático vigente estabelecia a participação de instituições privadas por meio de doações. Mantive uma relação institucional com todas essas empresas.

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247.Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247