Lula compara Campos com "aquele jovem": Collor

Ex-presidente Lula comparou governador de Pernambuco e presidenciável Eduardo Campos (PSB) com o ex-presidente Fernando Collor, eleito em 1989 e alvo de um impeachment em 1992; "A minha grande preocupação é repetir o que aconteceu em 1989: que venha um desconhecido, que se apresente muito bem, jovem... e nós vimos o que deu", disse ele a empresários paranaenses na última sexta-feira, segundo o jornalista Fernando Rodrigues

Ex-presidente Lula comparou governador de Pernambuco e presidenciável Eduardo Campos (PSB) com o ex-presidente Fernando Collor, eleito em 1989 e alvo de um impeachment em 1992; "A minha grande preocupação é repetir o que aconteceu em 1989: que venha um desconhecido, que se apresente muito bem, jovem... e nós vimos o que deu", disse ele a empresários paranaenses na última sexta-feira, segundo o jornalista Fernando Rodrigues
Ex-presidente Lula comparou governador de Pernambuco e presidenciável Eduardo Campos (PSB) com o ex-presidente Fernando Collor, eleito em 1989 e alvo de um impeachment em 1992; "A minha grande preocupação é repetir o que aconteceu em 1989: que venha um desconhecido, que se apresente muito bem, jovem... e nós vimos o que deu", disse ele a empresários paranaenses na última sexta-feira, segundo o jornalista Fernando Rodrigues (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Pernambuco 247 - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) comparou o governador de Pernambuco e presidenciável Eduardo Campos (PSB) com o ex-presidente Fernando Collor de Mello, eleito em 1989 e que sofreu um impeachment em 1992. Lula se disse preocupado. Para ele, caso Campos seja eleito, seu mandato poderá ser parecido com o de Collor, que pilotou o Plano Collor, que sequestrou recursos de contas correntes e teve a presidência caçada após diversas denúncias de corrupção. A comparação, segundo o blogueiro Fernando Rodrigues, do UOL, foi feita por Lula na última sexta-feira 14 (leia aqui).

“A minha grande preocupação é repetir o que aconteceu em 1989: que venha um desconhecido, que se apresente muito bem, jovem... e nós vimos o que deu”, teria dito o petista, durante almoço com empresários do Paraná. Assim como Campos, Collor também era governador no Nordeste (no caso, de Alagoas) e tinha como bandeira a renovação política. Em 89, Collor derrotou o próprio Lula nas eleições presidenciais.

O petista teria afirmado, ainda, que a presidente e candidata à reeleição, Dilma Rousseff (PT), é a única opção que pode dar “garantia de manutenção de estabilidade no Brasil”. Durante o evento, Lula afirmou ainda que “estamos melhor do que estávamos antes”, comparando o Brasil de 2014 com o Brasil de 2002, quando terminou o ciclo de governo do PSDB no fim do governo do PSDB e teve início a gestão do PT à frente do governo federal.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, também foi criticado por Lula. O ex-presidente afirmou que Mantega “demorou muito” para perceber que a taxa máxima de retorno fixada pelo governo para concessões de serviços públicos estava errada.

A presença de Lula no almoço demonstra a estratégia que será realizada pelo PT durante o período eleitoral. Enquanto a presidente Dilma Rousseff permanece governando em Brasília, quem percorrerá o Brasil fazendo campanha pela reeleição da petista será o próprio Lula, com seu forte apelo popular. 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email