Maceió registrou perda de receitas em 2015

Maceió está em décimo lugar no País no ranking dos municípios que tiveram maior perda de receitas em 2015;  o estudo comparou dados de janeiro a outubro de 2014 e do ano passado e mostra que a capital alagoana teve uma queda de 6,4% na arrecadação de impostos e em repasses do governo federal

Maceió está em décimo lugar no País no ranking dos municípios que tiveram maior perda de receitas em 2015;  o estudo comparou dados de janeiro a outubro de 2014 e do ano passado e mostra que a capital alagoana teve uma queda de 6,4% na arrecadação de impostos e em repasses do governo federal
Maceió está em décimo lugar no País no ranking dos municípios que tiveram maior perda de receitas em 2015;  o estudo comparou dados de janeiro a outubro de 2014 e do ano passado e mostra que a capital alagoana teve uma queda de 6,4% na arrecadação de impostos e em repasses do governo federal (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Alagoas247 - Maceió está em décimo lugar no País no ranking dos municípios que tiveram maior perda de receitas em 2015. Divulgado pelo jornal Folha de S. Paulo, o estudo comparou dados de janeiro a outubro de 2014 e do ano passado e mostra que a capital alagoana teve uma queda de 6,4% na arrecadação de impostos e em repasses do governo federal.

A cidade com maior perda foi Salvador, na Bahia, seguida de Porto Velho (ES) e Campo dos Goytacazes (RJ). Apesar do declínio, Maceió não aparece na lista das que diminuíram seus investimentos. Natal, que aparece na primeira posição, teve um corte de 90,71% - logo após aparecem Brasília e Curitiba.

O estudo foi feito com os municípios que disponibilizam dados completos das finanças e, em 38 dos 50 analisados - que juntos somam uma população de 60 milhões de pessoas -, houve declínio de receitas. Juntos, eles arrecadaram em 2015 4% a menos que em 2014, uma diminuição de R$ 2,7 bilhões. 

Segundo a Folha de S. Paulo, o resultado é reflexo da diminuição da atividade econômica e da redução de arrecadação do Imposto Sobre Serviços (ISS), assim como do menor repasse do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Outro grande problema é o corte de repasses da União. 

Entre as 50 prefeituras pesquisadas, 43 tiveram queda nos repasses governamentais. Com exceção da capital federal, que devido a uma mudança no balanço contábil não pode entrar na comparação, as cidades registraram diminuição de 5,7% nessas transferências.

O jornal traz ainda que, embora as despesas correntes, que incluem gastos com pessoal, juros e dívidas de custeio, tenham caído na maioria dos municípios, os gastos com salários ainda ultrapassam os limites de alerta e prudencial determinados pela Lei de Responsabilidade Fiscal em 21 das 50 administrações municipais.

Com gazetaweb.com

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247