Marco Maia questiona 'jejum' e 'orações' do Judiciário pela prisão de Lula

Deputado federal Marco Maia (PT-RS) ironizou os pedidos feitos a Deus durante o período da Páscoa por procuradores e juízes da Lava Jato que defendem a prisão em 2ª instância, antes do fim do julgamento de todos recursos previstos em lei, visando a prisão do ex-presidente Lula; "Ante a enxurrada de pedidos a Deus feito pelos procuradores e juízes da Lavajato gostaria de fazer um tb. Que Deus, atenda minhas orações e puna quem recebe auxilio moradia em duplicidade na família", postou Maia no Twitter

Marco Maia questiona 'jejum' e 'orações' do Judiciário pela prisão de Lula
Marco Maia questiona 'jejum' e 'orações' do Judiciário pela prisão de Lula
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Rio Grande do Sul 247 - O deputado federal Marco Maia (PT-RS) usou sua conta no Twitter para ironizar os pedidos feitos a Deus durante o período da Páscoa por procuradores e juízes da Lava Jato que defendem a prisão em 2ª instância, antes do fim do julgamento de todos recursos previstos em lei, visando a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"Ante a enxurrada de pedidos a Deus feito pelos procuradores e juízes da Lavajato gostaria de fazer um tb. Que Deus, atenda minhas orações e puna quem recebe auxilio moradia em duplicidade na família", postou o parlamentar.

A postagem faz referência ao fato do juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato em Curitiba e pela sentença contra Lula no caso do tríplex do Guarujá que recebe, juntamente com a mulher, o benefício do auxílio-moradia pago a membros do judiciário.

Em outra postagem, Maia também ironizou a postagem feita pelo procurador Deltan Dallagnol, responsável pelo Power Point que foi usado na condenação sem provas contra Lula, que disse que iria "jejuar" e fazer "orações" para que o Supremo Tribunal Federal (STF) mantivesse o entendimento acerca da prisão em 2ª instância.

"Porque será que o Dellagnol (sic) não faz greve de fome até prender um tucano? Não sairia vivo", escreveu Maia.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247