Mario Magalhães diz que Aécio ficou só

"Aécio Neves experimenta hoje sua maior solidão, sua ruína era anunciada, o senador agoniza em seu labirinto, quase ninguém lhe escreve ou procura-o", diz o jornalista e escritor, lembrando de frases dos livros de Gabriel García Marquez

"Aécio Neves experimenta hoje sua maior solidão, sua ruína era anunciada, o senador agoniza em seu labirinto, quase ninguém lhe escreve ou procura-o", diz o jornalista e escritor, lembrando de frases dos livros de Gabriel García Marquez
"Aécio Neves experimenta hoje sua maior solidão, sua ruína era anunciada, o senador agoniza em seu labirinto, quase ninguém lhe escreve ou procura-o", diz o jornalista e escritor, lembrando de frases dos livros de Gabriel García Marquez (Foto: Gisele Federicce)

247 - O jornalista e escritor Mário Magalhães fala da solidão do senador Aécio Neves (PSDB-MG), principal articulador do golpe que derrubou Dilma Rousseff e levou o País à sua maior crise econômica e política. Lembrando frases dos livros de Gabriel García Marquez, Magalhães afirma: "Aécio Neves experimenta hoje sua maior solidão, sua ruína era anunciada, o senador agoniza em seu labirinto, quase ninguém lhe escreve ou procura-o".
 
Para ele, "nenhum tiro teve calibre tão alto como o do ex-governador Geraldo Alckmin. O virtual concorrente do PSDB à Presidência disparou, ao abordar possível postulação eleitoral do réu: 'Claro que o ideal é que não seja candidato, é evidente'. Sem mandato parlamentar, Aécio perderia o escudo do STF, cuja lerdeza para julgar volta e meia se confunde com salvo-conduto".
 
Leia sua coluna no The Intercept.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247