Ministério Público da Bahia pede a candidatos respeito a crenças religiosas

A pouco mais de duas semanas do início das campanhas eleitorais nos municípios, o Ministério Público da Bahia recomendou aos candidatos e aos partidos que respeitem a liberdade de crença religiosa em suas respectivas propagandas eleitorais; segundo a recomendação, os candidatos a prefeito e a vereador não devem praticar intolerância religiosa, o que incita o ódio, e devem evitar o preconceito contra qualquer religião, em especial, as de matrizes africanas, a exemplo do candomblé e da umbanda; cabe aos partidos a fiscalização do conteúdo das propagandas

A pouco mais de duas semanas do início das campanhas eleitorais nos municípios, o Ministério Público da Bahia recomendou aos candidatos e aos partidos que respeitem a liberdade de crença religiosa em suas respectivas propagandas eleitorais; segundo a recomendação, os candidatos a prefeito e a vereador não devem praticar intolerância religiosa, o que incita o ódio, e devem evitar o preconceito contra qualquer religião, em especial, as de matrizes africanas, a exemplo do candomblé e da umbanda; cabe aos partidos a fiscalização do conteúdo das propagandas
A pouco mais de duas semanas do início das campanhas eleitorais nos municípios, o Ministério Público da Bahia recomendou aos candidatos e aos partidos que respeitem a liberdade de crença religiosa em suas respectivas propagandas eleitorais; segundo a recomendação, os candidatos a prefeito e a vereador não devem praticar intolerância religiosa, o que incita o ódio, e devem evitar o preconceito contra qualquer religião, em especial, as de matrizes africanas, a exemplo do candomblé e da umbanda; cabe aos partidos a fiscalização do conteúdo das propagandas (Foto: Romulo Faro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sayonara Moreno – correspondente da Agência Brasil

A pouco mais de duas semanas para o início das campanhas eleitorais nos municípios, o Ministério Público (MP) da Bahia recomendou aos candidatos e aos partidos que respeitem, na propaganda eleitoral, a liberdade de crença religiosa.

Segundo a recomendação, os candidatos a prefeito e a vereador não devem praticar a intolerância religiosa, o que incita o ódio, e devem evitar o preconceito contra qualquer religião, em especial, as de matrizes africanas, a exemplo do candomblé e da umbanda. Cabe aos partidos a fiscalização do conteúdo das propagandas políticas veiculadas em todos os meios de comunicação.

O documento do Ministério Público leva em conta a possibilidade da repetição de um caso ocorrido em 2014, quando foi reportado ao Grupo de Atuação Especial de Promoção dos Direitos Humanos e Combate à Discriminação, do Ministério Público da Bahia, ato de intolerância religiosa praticado por um candidato.

Outro fator citado na recomendação é a Constituição Federal, que assegura a todo brasileiro o direito à crença e ao livre exercício do culto religioso. O não cumprimento da recomendação pode gerar penalidades como a tomada de "providências cabíveis pelos Promotores Eleitorais e pelo Ministério Público do Estado da Bahia", diz a recomendação.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247