Ministro anuncia AL livre da febre aftosa

O ministro da Agricultura, Antônio Andrade, anunciou, neste domingo (18), que Alagoas está entre os oito estados brasileiros que receberão, por meio de instruções normativas, o reconhecimento do governo federal como zona livre da aftosa. Hoje, foi assinado o documento que reconhece o norte do Pará como área livre da doença. Também passarão a integrar a zona livre os estados do Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí e Rio Grande do Norte.

O ministro da Agricultura, Antônio Andrade, anunciou, neste domingo (18), que Alagoas está entre os oito estados brasileiros que receberão, por meio de instruções normativas, o reconhecimento do governo federal como zona livre da aftosa. Hoje, foi assinado o documento que reconhece o norte do Pará como área livre da doença. Também passarão a integrar a zona livre os estados do Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí e Rio Grande do Norte.
O ministro da Agricultura, Antônio Andrade, anunciou, neste domingo (18), que Alagoas está entre os oito estados brasileiros que receberão, por meio de instruções normativas, o reconhecimento do governo federal como zona livre da aftosa. Hoje, foi assinado o documento que reconhece o norte do Pará como área livre da doença. Também passarão a integrar a zona livre os estados do Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí e Rio Grande do Norte. (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Alagoas247 - A expectativa é que o ministro da Agricultura, Antônio Andrade venha a Alagoas, até o final do mês, para assinar o documento que garante o reconhecimento. O último caso da doença no Estado foi registrado há 15 anos. 

Dentre os critérios estabelecidos pelo Mapa para que os Estados sejam classificados nacionalmente como zona livre de febre aftosa com vacinação, um deles foi a sorologia dos animais, que foi realizada no período de abril de 2012 a março de 2013, com o objetivo de confirmar a inexistência da circulação do vírus da febre aftosa. Alagoas foi um dos primeiros a concluir a investigação epidemiológica sem nenhum caso de aftosa detectado pela pesquisa de campo. 

Após o reconhecimento pelo Ministério da Agricultura, o próximo passo é enviar pleito à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) solicitando o aval internacional para as novas áreas. A solicitação será feita em outubro e a expectativa é que o certificado da OIE seja obtido em maio de 2014. O objetivo do Brasil é obter da entidade o status de país livre da doença até 2015.

Com a inclusão dos oito estados, 99% do rebanho de bovinos e búfalos e 78% do território nacional passam a ser livres da doença. Anteriormente, 89% do rebanho eram imunes e 60% do território eram livres da febre.

De acordo com Guilherme Marques, diretor do Departamento de Saúde Animal do Ministério da Agricultura, os municípios do Amazonas que ainda não foram certificados devem evoluir para área de médio risco nos próximos dias.

O norte do Pará e os outros estados prestes a serem declarados livres de febre aftosa também eram considerados de médio risco para a doença até este domingo. Já são certificados como áreas livres da doença com vacinação os seguintes estados: Acre, Bahia, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rondônia, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

As áreas certificadas incluem ainda o Distrito Federal e os municípios de Guajará e Boca do Acre, no Amazonas, todos reconhecidos como livres de aftosa com vacinação. O estado de Santa Catarina é a única área no Brasil considerada livre da doença sem necessidade de vacinação, desde 2007.

No Brasil, o último foco de aftosa foi detectado em 2006 em Mato Grosso do Sul e no Paraná.

Com gazetaweb.com e assessoria

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email