MST promove ato político contra os retrocessos do governo Temer

O MST promove hoje (25), às 19h30m, no clube da Cofeco, em Fortaleza, um grande ato político com a presença de diversas autoridades, personalidades da política e representações da sociedade civil. O ato é uma denúncia contra o golpe que destituiu a presidenta Dilma Rousseff, os retrocessos comandados pelo governo de Michel Temer e o avanço do neoliberalismo no mundo. A atividade integra a  programação do encontro da Coordenação Nacional do MST, que acontece até a sexta (27), aqui no Ceará

O MST promove hoje (25), às 19h30m, no clube da Cofeco, em Fortaleza, um grande ato político com a presença de diversas autoridades, personalidades da política e representações da sociedade civil. O ato é uma denúncia contra o golpe que destituiu a presidenta Dilma Rousseff, os retrocessos comandados pelo governo de Michel Temer e o avanço do neoliberalismo no mundo. A atividade integra a  programação do encontro da Coordenação Nacional do MST, que acontece até a sexta (27), aqui no Ceará
O MST promove hoje (25), às 19h30m, no clube da Cofeco, em Fortaleza, um grande ato político com a presença de diversas autoridades, personalidades da política e representações da sociedade civil. O ato é uma denúncia contra o golpe que destituiu a presidenta Dilma Rousseff, os retrocessos comandados pelo governo de Michel Temer e o avanço do neoliberalismo no mundo. A atividade integra a  programação do encontro da Coordenação Nacional do MST, que acontece até a sexta (27), aqui no Ceará (Foto: Fatima 247)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Ceará 247 - O MST promove hoje (25), às 19h30, no clube da Cofeco, em Fortaleza, um grande ato político com a presença de diversas autoridades, personalidades da política e representações da sociedade civil. O ato é uma denúncia contra o golpe que destituiu a presidenta Dilma Rousseff, os retrocessos comandados pelo governo de Michel Temer e o avanço do neoliberalismo no mundo.

A atividade integra a  programação do encontro da Coordenação Nacional do MST, que acontece até a sexta (27), aqui no Ceará. O governador Camilo Santana que havia confirmado a presença, deve enviar um representante, porque estará em Brasília para uma reunião com o ministro da Integração Helder Barbalho. O ex-ministro Ciro Gomes é uma das personalidades que já confirmou a presença. É esperada ainda a participação de deputados e senadores de esquerda, representantes de partidos e outras personalidades. O presidente Lula, que era um dos convidados, também não poderá comparecer, em função da situação de sua mulher, d. Mariza, internada, desde ontem, vítima de um acidente vascular cerebral (AVC) hemorrágico. 

Os militantes do MST estão reunidos em Fortaleza desde o dia 23,  debatendo os rumos da esquerda e os retrocessos do governo Temer. Ontem, houve um debate com a participação de Sergio Gabrielli, professor de Economia da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e ex-presidente da Petrobras, Jandyra Uherara, da Executiva Nacional da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Jaime Amorim, da direção nacional do MST e o professor do programa de pós-graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento Rural da Universidade de Brasília (UnB), Sergio Sauer.

Durante o debate, Jaime Amorim destacou que o golpe que afastou a presidenta Dilma Rousseff, consolidou os planos da burguesia. "A saída de Dilma, do ponto de vista da burguesia, era uma necessidade para que se pudesse aplicar um programa a serviço do capital", disse. Ainda para Amorim, todos os trabalhadores de um modo geral vão perder com a agenda implantada pelo atual governo. "Nós, camponeses, vamos perder. Mas toda a sociedade vai. As economias de municípios do interior, especialmente do Norte e do Nordeste, vivem com base no dinheiro das aposentadorias de trabalhadoras e trabalhadores rurais", finalizou.

Já o professor Sergio Gabrielli, falou sobre os fatos internacionais que interferem diretamente na conjuntura brasileira. Como exemplo citou a vitória de Donald Trump nos Estados Unidos o desmonte da União Europeia e a mudança na economia chinesa. Gabrielli também falou sobre os desafios que deverão ser enfrentados pela esquerda brasileira. "Nesse momento de indefinição do bloco dominante, nós também temos indefinição no bloco de oposição, ou bloco popular. Precisamos redefinir alianças, uma pauta. Mas também precisamos avançar em termos de propostas para reconquistar os brasileiros", pontuou.

Jandyra Uherara da CUT, lembrou que a esquerda mundial vive um processo de desorganização, defensiva estratégica do socialismo, enraizamento da direita no seio da classe trabalhadora, aumento da concentração e das desigualdades, que demandam do conjunto da classe trabalhadora redefinições concretas de um projeto de sociedade para construção alternativa. "Temos o desafio de vincular as manifestações e coesionar a unidade política em torno de um projeto para o país. Isso tende a dar uma resposta concreta ao conjunto de necessidades da classe trabalhadora. O que estamos vivendo é reflexo de nossos erros. Não há conciliação de classes, mas, sim, o exercício de avançar na organização, no retorno das lutas de massa e num programa horizonte estratégico para a classe trabalhadora", salientou.

Sergio Sauer , frisou que o governo golpista tomou iniciativas que indicam as intenções de Temer em relação à Reforma Agrária, como a destruição do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) e o fechamento da Ouvidoria Agrária. Sauer também apontou a volta da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Fundação Nacional do Índio (Funai) e do Instituto de Colonização e Reforma Agrária (Incra) o atual processo de demarcação de terras indígenas como "atitudes que identificam quais as intenções do atual governo em relação as pautas centrais da classe trabalhadora". 

Com informações do MST



 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email