Native ads – você já usa esse tipo de anúncio para a sua empresa?

Já é de longa data que sabemos que os anúncios tradicionais, que apenas “empurram” produtos ou serviços aos internautas, não funcionam mais; como resposta a isso, começaram a surgir os “native ads” (anúncios nativos ou publicidade nativa), que são anúncios que se misturam ao conteúdo do local onde são inseridos, tirando aquela impressão de que querem vender algo

Já é de longa data que sabemos que os anúncios tradicionais, que apenas “empurram” produtos ou serviços aos internautas, não funcionam mais; como resposta a isso, começaram a surgir os “native ads” (anúncios nativos ou publicidade nativa), que são anúncios que se misturam ao conteúdo do local onde são inseridos, tirando aquela impressão de que querem vender algo
Já é de longa data que sabemos que os anúncios tradicionais, que apenas “empurram” produtos ou serviços aos internautas, não funcionam mais; como resposta a isso, começaram a surgir os “native ads” (anúncios nativos ou publicidade nativa), que são anúncios que se misturam ao conteúdo do local onde são inseridos, tirando aquela impressão de que querem vender algo (Foto: Leonardo Lucena)

Por Erica Queiroz, StartSe - Já é de longa data que sabemos que os anúncios tradicionais, que apenas “empurram” produtos ou serviços aos internautas, não funcionam mais. Como resposta a isso, começaram a surgir os “native ads” (anúncios nativos ou publicidade nativa), que são anúncios que se misturam ao conteúdo do local onde são inseridos, tirando aquela impressão de que querem vender algo.

Eles podem estar no meio de um post, parecerem um artigo editorial etc., e algoritmos específicos fazem com que sejam mostrados em locais que oferecem conteúdos similares na internet, de modo que acabem despertando o interesse de clientes potenciais. Ao serem misturados ao contexto, eles não são muito identificáveis. Ou seja: você não consegue claramente afirmar que se trata de um anúncio, apenas se reparar que ele vem identificado como “publicidade” ou “patrocinado”. Essa tem sido uma excelente solução para a enorme rejeição aos banners e também para o problema enfrentado pelos anunciantes com o ad blocking (clique aqui para saber mais).

Os native ads já existem há muitos anos, mas apenas mais recentemente ganharam proporções relevantes e, hoje em dia, não dá mais para pensar numa estratégia de marketing sem eles. Por estarem inseridos no contexto de onde são apresentados e, por esse motivo, serem mais relevantes, os anúncios nativos ajudam a nutrir o relacionamento com os clientes atuais e potenciais e recebem muito mais cliques (e melhores) do que os anúncios tradicionais, consequentemente, resultando em mais vendas – e também mais compartilhamentos nas redes sociais, que acabam gerando ainda mais vendas!

O formato desses anúncios combina perfeitamente com o layout da página em que estão inseridos, como se pertencessem a ela, parecendo um conteúdo próprio da mesma. Muitas vezes, são desenvolvidos conjuntamente pelo anunciante e veículo.

De acordo com relatório da Business Insider, as CTRs para anúncios nativos premium (aqueles com branded content – conteúdo gerado por uma marca – ou conteúdo patrocinado) podem ser duas a três vezes maiores do que para anúncios tradicionais (como os velhos banners e os anúncios patrocinados), e os dispositivos móveis podem apresentar CTRs quatro vezes superiores às dos anúncios tradicionais para anúncios nativos!

Se você ainda não sabia de que se tratava, seguramente já os viu espalhados pela web. Alguns exemplos de anúncios nativos são aqueles que aparecem no meio de um feed, widgets de recomendação de conteúdo (você acaba de ler um texto e, logo a seguir, vê recomendações como “você também deverá gostar de…”) e listas patrocinadas, entre outros.

Para que a sua experiência com anúncios nativos seja bem sucedida, é necessário segmentá-los de acordo com o seu público-alvo. Por exemplo: se você oferece um serviço para escolas, o seu anúncio poderá ser inserido em portais de educação, em blogs de escolas, revistas relacionadas à educação etc. Assim, o seu conteúdo será muito mais relevante para quem navegar por essas páginas e terá muito mais chances de ser clicado.

Mas há de se ter um cuidado especial ao utilizá-los: eles precisam ser claros e verdadeiros, caso contrário, irritarão os clientes potenciais e prejudicarão não somente a sua marca, como a do lugar onde forem inseridos.

Num mundo em que os consumidores estão cada vez mais avessos aos anúncios tradicionais, saber diferenciar a sua empresa com anúncios nativos, mais eficientes e menos invasivos, pode ser o grande passo para deixar os concorrentes para trás! E lembre-se de focar bastante nos dispositivos móveis, que apresentam resultados ainda melhores para esse tipo de anúncio.

*Erica é formada em Administração de Empresas pela FGV e em Publicidade e Propaganda pela USP

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247