OAB/AL quer segurança para deputado estadual

A Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Alagoas (OAB/AL) informou nesta sexta-feira (2) que vai solicitar ao Conselho de Segurança (Conseg) proteção especial para o deputado João Henrique Caldas (PTN). Nesta manhã, ele entregou documentos que comprovam o suposto desvio de recursos da Assembleia Legislativa e solicitou que a OAB acompanhe a investigação que está sendo conduzida pelo Ministério Público (MP) de Alagoas

OAB/AL quer segurança para deputado estadual
OAB/AL quer segurança para deputado estadual
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Alagoas247 - Depois de receber os relatórios entregues pelo deputado, o presidente da OAB/AL, Thiago Bonfim, garantiu que vai designar uma comissão para acompanhar de perto os trabalhos do MP. A Polícia Federal e a Receita Federal também analisam os documentos e preparam um dossiê sobre a movimentação financeira da Assembleia Legislativa. Na próxima segunda-feira (5), o deputado deve entregar os mesmos documentos ao presidente do Tribunal de Justiça de Alagoas, José Carlos Malta Marques.

Sobre o pedido de segurança, Bonfim explicou que a medida tem caráter preventivo e se deve ao histórico de violência no estado. "Não há nenhuma ameaça concreta. Mas, devido à gravidade dos fatos denunciados e ao histórico de violência em Alagoas, entendemos que é necessária a proteção especial".

Conforme João Henrique Caldas, o montante supostamente desviado ultrapassa R$ 19 milhões. Ele alega que o valor teria "sumido" das contas da Assembleia, conforme extratos bancários emitidos pela Caixa Econômica Federal. "Há, comprovadamente, desvio de dinheiro público. Não há possibilidade dos dados disponibilizados não serem verdadeiros, exceto se houve erro da Caixa Econômica. Os extratos são bastante claros", pondera.

O deputado critica as informações apresentadas pela Mesa Diretora do Legislativo sobre as denúncias de desvio. Para ele, os deputados tentam "dar um ar de legalidade a operações ilegais".

Segundo ele, uma das formas de mascarar as supostas fraudes seria a forma de arquivamento utilizada pela Casa. "Não há interesse, por parte da Mesa Diretora, em informatizar o sistema do Legislativo. As anotações ainda são feitas em fichas, com máquinas de datilografia", completou.

Com gazetaweb.com

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247