Operação Sucupira: PF indicia 15 pessoas no esquema da Ufal

7 professores e 8 alunos do curso, que seriam servidores públicos, vão responder por associação criminosa, corrupção passiva, peculato e lavagem de dinheiro; eles foram alvo da Operação Sucupira e são suspeitos de envolvimento no esquema criminoso envolvendo o mestrado de Administração da Universidade Federal de Alagoas (Ufal); segundo a Polícia Federal, o esquema envolve, além da Ufal, órgãos da estrutura administrativa do Estado, dos quais fazem parte os estudantes indiciados

7 professores e 8 alunos do curso, que seriam servidores públicos, vão responder por associação criminosa, corrupção passiva, peculato e lavagem de dinheiro; eles foram alvo da Operação Sucupira e são suspeitos de envolvimento no esquema criminoso envolvendo o mestrado de Administração da Universidade Federal de Alagoas (Ufal); segundo a Polícia Federal, o esquema envolve, além da Ufal, órgãos da estrutura administrativa do Estado, dos quais fazem parte os estudantes indiciados
7 professores e 8 alunos do curso, que seriam servidores públicos, vão responder por associação criminosa, corrupção passiva, peculato e lavagem de dinheiro; eles foram alvo da Operação Sucupira e são suspeitos de envolvimento no esquema criminoso envolvendo o mestrado de Administração da Universidade Federal de Alagoas (Ufal); segundo a Polícia Federal, o esquema envolve, além da Ufal, órgãos da estrutura administrativa do Estado, dos quais fazem parte os estudantes indiciados (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Alagoas 247 - Quinze pessoas serão indiciadas pela Polícia Federal por suposto envolvimento no esquema criminoso envolvendo o mestrado de Administração da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) e que foi alvo da Operação Sucupira, deflagrada nesta quinta-feira (11). Os indiciados são 7 professores e 8 alunos do curso, que seriam servidores públicos. Eles vão responder por associação criminosa, corrupção passiva, peculato e lavagem de dinheiro.

Segundo informações repassadas pela Polícia Federal durante entrevista coletiva, o esquema criminoso envolve, além da universidade, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) o Instituto de Tecnologia em Informática e Informação de Alagoas (Itec), a Agência Reguladora de Serviços de Alagoas (Arsal) e a Amgesp. Isso porque servidores públicos desses órgãos são também os alunos indiciados. 

As investigações tiveram início no último dia 3 de abril, a partir de matéria publicada no site Diário do Poder. O esquema existia para garantir o acesso dos alunos ao curso de mestrado em Administração Pública, mediante o pagamento de determinada quantia. Até o momento, a Polícia Federal já descobriu a quantia de R$ 108 mil que seria referente às propinas pagas para acesso ao curso. Esse dinheiro teria sido pago pela Sesau como se os professores fossem prestadores de serviço da pasta. A polícia ainda investiga como eram feitos os repasses.  

Segundo o delegado Antônio Carvalho, que preside o inquérito, a quantia foi localizada através do Portal da Transparência por meio de uma aba especifica chamada "Despesa por lista", voltada à transferência de recursos. Os alunos-servidores e os professores da Ufal podem perder os cargos.

"Para entrar no curso de mestrado precisa passar por várias etapas/exames e percebeu-se que alguns deles não foram aprovados em um dos testes, mas que foram inseridos como alunos regulares", disse o delegado.

Ele afirma também que o pagamento era feito aos professores e aos parentes deles. "Esta plataforma no Portal da Transparência serviu de prova para encontrarmos o valor de R$ 108 mil. Os professores não poderiam receber tal quantia porque têm dedicação exclusiva com a Ufal, mas estariam prestando serviços para a Sesau", pontuou. 

Com gazetaweb.com

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247