Para Marconi, melhor defesa na CPI é ataque

Governador goiano do PSDB, orientado por advogado e empresa que cuida da imagem de políticos, procura levar a cabo a máxima que ensina que a melhor defesa é o ataque. Assim, age como candidato e bate principalmente em Lula. Mas, para passar credibilidade, terá de fazer mais que isso: pode, por exemplo, autorizar na CPI mista abertura de seus sigilos bancário e fiscal. Espontaneamente. Vai fazer isso?

Para Marconi, melhor defesa na CPI é ataque
Para Marconi, melhor defesa na CPI é ataque (Foto: Edição/247)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Vassil Oliveira_Goiás 247 – Em nome do discurso da transparência e da coragem acima de tudo, nos últimos dias o governador Marconi Perillo (PSDB) tem procurado agir por antecipação. O auge: antes que a CPI mista do Cachoeira o chamasse, foi até ela. Em um ato pirotécnico, nesta quarta, 29, chegou de surpresa a uma sessão da comissão e se ofereceu para depor.

Se quisesse mesmo passar credibilidade e verdade nas suas palavras, precisaria fazer mais do que isso: por exemplo abrir espontaneamente seus sigilos fiscal e bancário. Mais: convencer assessores seus, como Lúcio Fiúza, a fazer o mesmo. Seria um começo.

Na prática, o governador goiano, premido a dar respostas sobre suas ligações com o contraventor Carlinhos Cachoeira e as ligações deste com o seu governo, busca fazer o que em jornalismo se chama inverter a pauta. Ele é questionado? Então ele passa a questionar. Ele é cobrado? Então passa a ameaçar.

Assim foi que erguei a bandeira da CPI das Empreiteiras, que promete propor na sua ida à CPI. Assim foi também que fez aprovar na Assembleia Legislativa de Goiás CPI também do Cachoeira mas para pressionar adversários – serão chamados, por exemplo, prefeitos de cidades de adversários políticos dele, mas ele mesmo nem tem sua ida cogitada.

Atacar pra se defender não é uma arma nova na guerra, muito menos na guerra política. No que se refere a Marconi, a novidade é que ele nunca foi tão pressionado e jamais tinha chegado tão perto do fundo do poço, segundo relatos de amigos e auxiliares, que em determinado momento chegaram a temer que ele fosse “entregar os pontos”, como definiram, tal era a angústia que o tomava. Contam que ele chegou a ter problemas de saúde, por não ver saída para seu caso.

A decisão de levantar a cabeça e “voltar a ser o Marconi que sempre foi”, diz boa fonte do Palácio das Esmeraldas, partiu de assessores, e não dele. Partiu principalmente de um, que na campanha cuidou da contratação de empresa nacional para cuidar da comunicação. A mesma empresa foi contatada há pouco mais de um mês e assumiu a administração das ações de redes sociais e de administração da imagem do tucano em nível nacional.

A empresa e o advogado de Marconi, Kakai, é que definiram o modelo de ação que está sendo adotado. Em síntese: Marconi buscar estar sempre um passo à frente. É inevitável que vá à CPI? Então ele se adianta e propõe ir espontaneamente. É questionado sobre a casa? Atira em Lula, dizendo que é alvo do ódio do ex-presidente porque teria sido um dos avalistas da denúncia do mensalão. Vale tudo, e tudo é arma.

No Estado, a reação começou com a aprovação de um adicional ‘de emergência’ de R$ 20,5 milhões para propaganda. Com dinheiro para gastar, os governistas foram aos veículos e ofereceram uma mão e cobraram em troca basicamente duas coisas:

a – espaço para as ações positivas do governo;

b – sumiço do assunto “Cachoeira” do noticiário ou que fosse tratado sempre sob a perspectiva favorável ao governo, o que incluía cobertura farta da CPI da Assembleia, controlada pelos marconistas;

c – limitação de espaço, quando não exclusão total, para os adversários, entre os quais os três potenciais pré-candidatos a governador em 2014: Iris Rezende e Vanderlan Cardoso (PMDB), Júnior Friboi (PSB) e Rubens Otoni (PT).

Alguns pontos do discurso recorrente e batido à exaustão pela equipe de Marconi Perillo na imprensa goiana:

1 – Dilma é parceira, o inimigo “de Goiás” – porque não gosta de Marconi – é Lula;

2 – Lula te ódio de Marconi e tudo que está acontecendo é motivado por isso, tem como objetivo atingi-lo em ato de vingança pelo episódio do mensalão;

3 – PT tem medo de Marconi, porque é o único que pode derrotar Lula em 2014;

4 – não há nada que ligue Marconi a Cachoeira; tudo que foi publicado até agora faz parte de uma conspiração para atingir o tucano;

5 – quem tem a ver com Cachoeira é o PMDB e o PT, porque as prefeituras de Goiânia e de Anápolis, administradas por petistas, e de Catalão, governada por peemedebista, é que teriam assinado contrato com a Delta, e o que o Estado tem foi assinado pelo governo anterior (o fato de o governo atual ter renovado o contrato e aumentado o valor nem é mencionado);

6 – enfim, Marconi é vítima. Ponto final.

Junto com essa ação política o governador intensificou as ações de governo. O jornal Tribuna do Planalto chegou a anotar os muitos programas nos quais o governo tem investido (para ver, clique aqui – ), entre os quais um com o sugestivo nome de PAI, ou Programa de Ação Integrada, “lançado com o objetivo de priorizar certas obras, inspirado no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do governo federal.”

Paralelo a isso, o governador tenta minimizar a fragilidade política dentro de seu próprio governo, que não deixa inclusive que faça as alterações que gostaria na equipe. Vontade, por exemplo, de tirar o presidente da Agência de Comunicacão (Agecom), José Luiz Bittencourt, e o secretario de Infra-estrutura, Alexandres Baldy. O primeiro tem as costas protegidas pelo presidente da Assembleia Legislativa, Jardel Sebba, e pelo líder do governo na Casa, Helder Valin; o segundo, é genro do empresário Marcelo Limírio, ligado a Cachoeira e a Marconi.

O fato é que Marconi Perillo ainda não conseguiu fazer o governo andar, mas está empurrando os aliados que resistem ao seu lado. Boa parte, no entanto, aguarda quieto. Quieto – o que não quer dizer que tem esperança de que o momento ruim passe logo.

O detalhe é relevante porque, em outros tempos, o boca-a-boca sempre funcionou como um veículo de comunicação poderoso – multiplicando com onipresença nos municípios – para o tucano. Agora, é um veículo com ruídos. Tem espalhado dúvidas e medo. E caso a situação do governador se complique, levará desespero em tempos de eleição.

Ou seja: Marconi age como quem está em campanha sabendo que é ganhar ou ganhar. Talvez a maior campanha de sua vida. Está em jogo a sua sobrevivência política. É o que tem. Porque a credibilidade, e o respeito, estes já foram derrotados. Em Goiás e no Brasil.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247