"PCdoB foi o principal ator para os Jogos Indígenas em Palmas"

Apesar dos esforços do partido para abrir as portas do ministério à candidatura de Palmas, interlocutores do PCdoB tocantinense reclamam que a articulação não ganhou a visibilidade merecida, que terminou sendo dividida pelo prefeito de Palmas, Carlos Amastha (PP), e pela senadora Kátia Abreu (PMDB); o presidente do PCdoB no Tocantins, Luciano Arruda, contemporiza o fato de não ter aparecido na fotografia do anúncio, mas não esconde o papel desempenhado pelo partido na decisão dos Jogos Mundiais Indígenas para Palmas; “O pedido nosso junto à Executiva Nacional teve um poder muito forte, porque abriu as portas do ministério”, afirmou

Apesar dos esforços do partido para abrir as portas do ministério à candidatura de Palmas, interlocutores do PCdoB tocantinense reclamam que a articulação não ganhou a visibilidade merecida, que terminou sendo dividida pelo prefeito de Palmas, Carlos Amastha (PP), e pela senadora Kátia Abreu (PMDB); o presidente do PCdoB no Tocantins, Luciano Arruda, contemporiza o fato de não ter aparecido na fotografia do anúncio, mas não esconde o papel desempenhado pelo partido na decisão dos Jogos Mundiais Indígenas para Palmas; “O pedido nosso junto à Executiva Nacional teve um poder muito forte, porque abriu as portas do ministério”, afirmou
Apesar dos esforços do partido para abrir as portas do ministério à candidatura de Palmas, interlocutores do PCdoB tocantinense reclamam que a articulação não ganhou a visibilidade merecida, que terminou sendo dividida pelo prefeito de Palmas, Carlos Amastha (PP), e pela senadora Kátia Abreu (PMDB); o presidente do PCdoB no Tocantins, Luciano Arruda, contemporiza o fato de não ter aparecido na fotografia do anúncio, mas não esconde o papel desempenhado pelo partido na decisão dos Jogos Mundiais Indígenas para Palmas; “O pedido nosso junto à Executiva Nacional teve um poder muito forte, porque abriu as portas do ministério”, afirmou (Foto: Aquiles Lins)

Tocantins 247 – O Ministério do Esporte oficializou nesta quarta-feira, 24, a escolha da cidade de Palmas como sede dos Jogos Mundiais Indígenas, que acontecem em junho de 2015. A informação está publicada na página do ministério, em matéria que afirma que “A cidade de Palmas foi escolhida pelo Ministério do Esporte e o Comitê Intertribal Memória e Ciência Indígena (ITC) como sede da edição mundial dos Jogos dos Povos Indígenas” (leia aqui).

Nos bastidores, a conquista de Palmas como sede dos Jogos Mundiais Indígenas continua repercutindo no meio político. Alguns membros do PCdoB do Tocantins relatam um suposto descontentamento pela falta de reconhecimento ao trabalho realizado pelo partido, que resultou no anúncio do ministro do Esporte, o comunista Aldo Rebêlo, na semana passada (leia aqui).

Interlocutores do PCdoB tocantinense reclamam que os esforços empreendidos pelo partido acabaram não ganhando a visibilidade merecida, que terminou sendo dividida pelo prefeito de Palmas, Carlos Amastha (PP), e pela senadora Kátia Abreu (PMDB), que não tem muita empatia com os indígenas.

Ao Tocantins 247, o presidente do PCdoB no Tocantins, Luciano Arruda, não esconde o papel desempenhado pelo partido na decisão dos Jogos Mundiais Indígenas para Palmas. “O PCdoB foi o principal ator para trazer os Jogos Mundiais Indígenas para o Tocantins. O pedido nosso junto à Executiva Nacional teve um poder muito forte, porque abriu as portas do ministério”, afirmou.

Sobre o PCdoB não ter aparecido no anúncio da decisão do ministro Aldo Rebelo, cuja foto pôs lado a lado o adversário Carlos Amastha e Kátia Abreu, Luciano Arruda contemporizou. “Fomos um dia antes do episódio para conversar com o partido, abrir as portas. Mas como tinha uma previsão de uma agenda do senador Inácio Arruda, acabei retornando e não apareci na foto. Não há nenhum constrangimento”, afirmou. O senador cearense Inácio Arruda não veio ao Tocantins.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247