Pimentel defende CPI para esclarecer déficit da Previdência

O senador José Pimentel (PT-CE) defendeu, nesta segunda-feira (13/2), em Brasília, a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Previdência Social, para identificar a origem do déficit da previdência, argumento usado pelo governo Temer para justificar a proposta. Profundo conhecedor do tema, Pimentel conclamou a sociedade a se mobilizar e afirmou que o governo extinguiu o ministério da Previdência e levou para o ministério da Fazenda as atribuições de arrecadação e a partir daí, criou um buraco de R$ 80 bilhões, que agora querem debitar na conta dos trabalhadores, especialmente das mulheres rurais e professoras

O senador José Pimentel (PT-CE) defendeu, nesta segunda-feira (13/2), em Brasília, a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Previdência Social, para identificar a origem do déficit da previdência, argumento usado pelo governo Temer para justificar a proposta. Profundo conhecedor do tema, Pimentel conclamou a sociedade a se mobilizar e afirmou que o governo extinguiu o ministério da Previdência e levou para o ministério da Fazenda as atribuições de arrecadação e a partir daí, criou um buraco de R$ 80 bilhões, que agora querem debitar na conta dos trabalhadores, especialmente das mulheres rurais e professoras
O senador José Pimentel (PT-CE) defendeu, nesta segunda-feira (13/2), em Brasília, a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Previdência Social, para identificar a origem do déficit da previdência, argumento usado pelo governo Temer para justificar a proposta. Profundo conhecedor do tema, Pimentel conclamou a sociedade a se mobilizar e afirmou que o governo extinguiu o ministério da Previdência e levou para o ministério da Fazenda as atribuições de arrecadação e a partir daí, criou um buraco de R$ 80 bilhões, que agora querem debitar na conta dos trabalhadores, especialmente das mulheres rurais e professoras (Foto: Fatima 247)

Ceará 247 - O senador José Pimentel (PT-CE) defendeu, nesta segunda-feira (13/2), em Brasília, durante Sessão Especial do Senado, em homenagem ao Dia Nacional do Aposentado, a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Previdência Social, que tem como objetivo de identificar a origem do déficit da previdência dos trabalhadores urbanos, usada pelo governo Temer para justificar a proposta de reforma da previdência que está em debate no Congresso Nacional (PEC 287/2016). A proposta é do senador Paulo Paim (PT-RS) que já está coletando assinaturas para a formação do colegiado. 

Em seu pronunciamento Pimentel afirmou: “Nós precisamos saber como o governo golpista do presidente Temer deu um rombo de R$ 46 bilhões na previdência urbana. Por isso, senador Paulo Paim, aquela sua ideia de instalar uma CPI da Previdência Social é mais do que necessária”.

O senador apresentou dados para justificar a realização da CPI. Segundo Pimentel, em 2007, o déficit da previdência urbana somava R$ 22,8 bilhões. Em 2009, o governo do presidente Lula garantiu superávit de R$ 2,4 bilhões. Em 2012, no governo da presidenta Dilma, o resultado positivo da previdência foi suficiente para recuperar o déficit de 22,8 bilhões e garantir, ainda, um superávit de R$ 33,3 bilhões.

Segundo Pimentel, em 2015, a Previdência voltou a apresentar superávit de R$ 5,8 bilhões, apesar de R$ 33,3 bilhões terem sido utilizados para compensar as desonerações concedidas. O senador destacou que a estratégia para criar um rombo nas contas previdenciárias do setor urbano tornou-se mais evidente a partir do afastamento da presidenta Dilma Rousseff, em maio de 2016. “A primeira coisa que esse governo golpista fez foi extinguir o ministério da Previdência e levar para o ministério da Fazenda as atribuições de arrecadação. Em seguida, foi criado um buraco de R$ 80 bilhões, que agora querem debitar na conta dos trabalhadores, especialmente das mulheres rurais e professoras”, ressaltou.

Mobilização - Pimentel conclamou a sociedade a se mobilizar contra a proposta de reforma da previdência, afirmando que os deputados e senadores que estão dispostos a votar a favor dessa matéria são os mesmos que votaram pela aprovação da PEC do teto de gastos que reduziu investimentos na saúde e educação. “Nós sabemos fazer movimento social, nós conhecemos quem quer votar essa matéria. Portanto, cabe a nós fazer a CPI da Previdência, fazer greve geral e ir para as ruas nos mobilizar, porque esse Brasil pertence a mais de 200 milhões de pessoas e não a meia dúzia de golpistas que ontem tiraram uma presidenta da República legítima e colocaram um traidor da pátria brasileira”, concluiu.

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247