Pimentel faz acordo com professores e critica Richa

Governador de Minas Gerais criticou os "espetáculos lamentáveis" de repressão contra professores do Paraná, governado pelo tucano Beto Richa; declaração foi feita após Fernando Pimentel (PT) fechar acordo com os docentes estaduais para o pagamento do piso nacional da Educação até 2017; "Ao contrário de outros Estados, onde nós estamos assistindo até espetáculos lamentáveis de agressão aos professores, em Minas nós construímos o diálogo, o consenso", disse; referência sobre as "agressões" diz respeito ao massacre de mais de 200 professores grevistas pela Polícia Militar do Paraná há cerca de 15 dias; atualmente, os professores de cinco estados – quatro deles administrados pelo PSDB – estão em greve

Governador de Minas Gerais criticou os "espetáculos lamentáveis" de repressão contra professores do Paraná, governado pelo tucano Beto Richa; declaração foi feita após Fernando Pimentel (PT) fechar acordo com os docentes estaduais para o pagamento do piso nacional da Educação até 2017; "Ao contrário de outros Estados, onde nós estamos assistindo até espetáculos lamentáveis de agressão aos professores, em Minas nós construímos o diálogo, o consenso", disse; referência sobre as "agressões" diz respeito ao massacre de mais de 200 professores grevistas pela Polícia Militar do Paraná há cerca de 15 dias; atualmente, os professores de cinco estados – quatro deles administrados pelo PSDB – estão em greve
Governador de Minas Gerais criticou os "espetáculos lamentáveis" de repressão contra professores do Paraná, governado pelo tucano Beto Richa; declaração foi feita após Fernando Pimentel (PT) fechar acordo com os docentes estaduais para o pagamento do piso nacional da Educação até 2017; "Ao contrário de outros Estados, onde nós estamos assistindo até espetáculos lamentáveis de agressão aos professores, em Minas nós construímos o diálogo, o consenso", disse; referência sobre as "agressões" diz respeito ao massacre de mais de 200 professores grevistas pela Polícia Militar do Paraná há cerca de 15 dias; atualmente, os professores de cinco estados – quatro deles administrados pelo PSDB – estão em greve (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Minas 247 - O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), criticou de maneira indireta os "espetáculos lamentáveis" de repressão contra professores no Estado do Paraná, governado pelo tucano Beto Richa.

Pimentel, que nesta sexta-feira 15 fechou acordo com os docentes estaduais para o pagamento do piso nacional da Educação até 2017, disse que o estado mineiro "construiu consenso" para evitar greves na rede estadual de ensino.

"Ao contrário de outros Estados, onde nós estamos assistindo até espetáculos lamentáveis de agressão aos professores, em Minas nós construímos o diálogo, o consenso", disse Pimentel.

A referência sobre as "agressões" diz respeito ao massacre de mais de 200 professores grevistas pela Polícia Militar do Paraná há cerca de 15 dias. "Em Minas Gerais, os professores são tratados com respeito, com dignidade, como deve ser com todas as categorias profissionais", alfinetou o petista.

Atualmente, os professores de cinco estados – quatro deles administrados pelo PSDB – estão em greve. A paralisação alcança São Paulo, Goiás, Pará, Paraná e Santa Catarina, este último governado pelo PSD.

Segundo o governo mineiro, o acordo firmado nesta sexta-feira terá um impacto de R$ 13 bilhões sobre o tesouro estadual. O gasto, segundo o governador, será compensado mediante ajustes nos gastos com custeio e na correção de "discrepâncias e erros" encontrados na folha de pagamentos.

Richa também recebeu críticas indiretas da presidente Dilma Rousseff em sua mensagem no 1º de Maio, Dia do Trabalhador. "Temos que reconhecer como legítimas as reivindicações de todos os segmentos sociais da população. Temos de nos acostumar a fazer isso sem violência e sem repressão", afirmou Dilma (assista aqui).

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247