Polícia foi criada para controlar pessoas negras e pobres, diz capitão da PM

Doutor em sociologia pela Universidade Federal da Paraíba, o capitão da Polícia Militar Fábio França destaca que as polícias militares são treinadas sob a perspectiva do racismo policial. Também faz críticas às UPP's

Capitão da PM Fábio França
Capitão da PM Fábio França (Foto: IBSP)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - Doutor em sociologia pela Universidade Federal da Paraíba, o capitão da Polícia Militar Fábio França diz que "a polícia foi criada, obviamente, para controlar a população negra e pobre". A entrevista foi concedida ao jornal Folha de S.Paulo.

"Quando a família real veio para o Brasil, montou o primeiro aparato de segurança pública do país e criou as guardas municipais permanentes. À época, a ideia era a elite branca controlar a grande maioria de escravizados, alforriados, fugitivos e brancos pobres. Não era permitido, por exemplo, reuniões de três a cinco pessoas de pele negra. Elas poderiam ser presas ou açoitadas por isso", diz.

De acordo com o capitão, "além de a população negra sofrer com esse aparato, ainda há o fato de que negros se tornam policiais e não têm essa perspectiva". "Nos cursos de formação, não existe um debate sobre a origem e a história das polícias militares".

PUBLICIDADE

O sociólogo também afirma que, no doutorado, levantou "a tese de que programas de policiamento comunitário como as UPPs, Unidades de Polícia Pacificadora, no Rio, tinham um discurso que criava 'sociabilidade estratégica'. A ideia era fazer com que o Estado conseguisse entrar com forças repressivas nas periferias e nos grandes centros urbanos".

"Minha hipótese é a de que há convencimento através de um discurso de humanização. As pessoas das periferias se convencem de que é necessário a polícia estar lá para representar o Estado. Isso gera um controle social muito mais sofisticado, que não busca usar a violência direta, mas sim a violência simbólica", afirma.

PUBLICIDADE

Segundo o estudioso, violência simbólica é "uma maneira de fazer com que o dominado aceite o discurso do dominador sem resistência, acreditando que tudo aquilo é bom para ele. O objetivo é mostrar que as formas de dominar o outro são tão inteligentes que os grupos dominantes não precisam fazer nenhum esforço. Basta utilizar o discurso adequado para o convencimento acontecer".

"Com essa mudança de discurso por meio de encontros entre pessoas das comunidades e policiais, por exemplo, cria-se a visão de que as coisas estão acontecendo, facilitando a entrada dos agentes. Mas o que não percebem é que os policiais, por estarem sempre presentes, acabam controlando e vigiando melhor".

PUBLICIDADE

Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email