Policiais bloqueiam porto de Maceió

Por conta das negociações com o governo de Alagoas estarem paradas, agentes e escrivães da Polícia Civil decidiram bloquear a entrada do Porto de Maceió; eles reivindicam melhorias salariais, revisão do Plano de Cargos e Carreiras, além de vale-alimentação; categoria só deve deixar o Porto quando o governo apresentar uma proposta

Por conta das negociações com o governo de Alagoas estarem paradas, agentes e escrivães da Polícia Civil decidiram bloquear a entrada do Porto de Maceió; eles reivindicam melhorias salariais, revisão do Plano de Cargos e Carreiras, além de vale-alimentação; categoria só deve deixar o Porto quando o governo apresentar uma proposta
Por conta das negociações com o governo de Alagoas estarem paradas, agentes e escrivães da Polícia Civil decidiram bloquear a entrada do Porto de Maceió; eles reivindicam melhorias salariais, revisão do Plano de Cargos e Carreiras, além de vale-alimentação; categoria só deve deixar o Porto quando o governo apresentar uma proposta (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Alagoas 247 - Uma fila de caminhões se formou ao longo das avenidas da Paz e Cícero Toledo, desde que agentes e escrivães da Polícia Civil bloquearam nessa terça-feira (26) a entrada do Porto de Maceió, no bairro de Jaraguá. Os policiais cobram melhorias salariais, revisão do Plano de Cargos e Carreiras, além de vale-alimentação.

Nesta quarta-feira (27), a fila de veículos se aproximava do Museu Memorial da República. Os veículos aguardavam a liberação da entrada do local para carregar ou descarregar mercadorias. O Sindicato dos Policiais Civis (Sindpol) de Alagoas diz, no entanto, que os veículos que estavam no porto puderam deixar o espaço.

"Foi solicitado, inicialmente, que os caminhões que estavam carregados com combustíveis pudesse deixar o local. Nós autorizamos. Em seguida, pediram para os veículos carregados com fertilizantes deixar o espaço. Nós autorizamos. Por fim, pediram que liberássemos uma saída lateral, para carros de passeio", explicou o diretor de Planejamento do Sindpol, Stelio Júnior, à TV Gazeta, afiliada da Globo.

Segundo ele, as negociações com o governo de Alagoas "estão paradas". "Não houve avanço nas negociações. Queremos o pagamento de salários equivalentes a 60% do piso de delegado, o pagamento de vale-alimentação, a construção do prédio-sede da Academia de Polícia Civil e a revisão do nosso Plano de Cargos e Carreiras".

O diretor explica que a categoria só deve deixar o Porto de Maceió quando o governador Renan Filho apresentar uma proposta concreta de negociação com a categoria.

Nessa terça-feira (26), agentes e escrivães da Polícia Civil realizaram uma assembleia e decidiram pela manutenção da greve. Além da ocupação da entrada do porto, os policiais civis fizeram uma caminhada pelas ruas do Centro de Maceió.

Com gazetaweb.com

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email