Procura por cursos on-line cresce na quarentena

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Profissionais de diferentes áreas aproveitam tempo em casa para se qualificar ao mercado de trabalho, que já demonstra preocupação entre brasileiros.

Com a pandemia sem previsão para terminar, a quarentena tem resultado em efeitos negativos ao mercado de trabalho, que está cada vez mais concorrido. Com isso, muitos profissionais aproveitam o tempo em casa para estudar e se qualificar.

Se antes do novo coronavírus as vagas de emprego estavam bastante disputadas, especialistas esperam que, após a quarentena, esse cenário seja ainda mais crítico. Para conquistar vagas específicas, é necessário que candidatos tenham diferenciais.

Procura por cursos on-line cresce na quarentena

Cursos on-line são oportunidades para quem deseja um currículo diferenciado

São muitas as plataformas que oferecem cursos on-line, gratuitos ou não. Devido a incertezas recorrentes do novo coronavírus, escolas, empresas e instituições perceberam uma explosão de demanda a diferentes cursos.

Segundo Roland Anton Zottele, gerente de desenvolvimento do SENAC, desde o início do isolamento social, a instituição contabilizou 450 mil matrículas em cursos remotos e on-line. Outro exemplo é a plataforma de cursos de idiomas Babbel, que entre a segunda quinzena de março e início de abril, teve um salto de 25% de inscrições, mostrando assim, o quanto os brasileiros estão preocupados em obter diferencial competitivo em seu currículo.

De acordo com uma pesquisa realizada on-line pela NZN Intelligence, 40% das pessoas entrevistadas, cogitando realizar uma das modalidades de cursos pela internet, estavam na faixa etária de 18 a 34 anos. Com isso, é possível perceber o quanto a população está interessada em se qualificar ao mercado, em momento de crise.

Mercado exige mais do profissional do futuro e cursos on-line podem impulsionar carreiras

O novo coronavírus trouxe grande mudança para o mercado de trabalho e com cada vez mais pessoas na lista do desemprego, disputa por vagas tendem a aumentar. Nessa época, é importante a busca por qualificação profissional e, com isolamento social, os cursos virtuais oferecem conhecimentos para quem quer um currículo diferenciado.

Após a pandemia, o mundo não será o mesmo e os profissionais também não, já que as empresas precisam buscar novas formas de alcançar resultados positivos pós-pandemia. Além de enriquecer o currículo, os cursos on-line também são de grande ajuda para autônomos e pequenos empresários. 

Por meio de novos conhecimentos, todos podem se preparar para as mudanças no mercado que estão para vir, assim que terminar o isolamento social. Entre outras alterações, a pandemia fez o mundo evoluir muito, o que requer um profissional mais preparado para esse novo cenário.

Os critérios de avaliação para contratação de um profissional não serão mais os mesmos. Ou seja, formação acadêmica e experiência técnica vão dividir espaço com capacidade de se autogerir, proatividade e flexibilidade, além de outros pontos que alteram, conforme exigência da função.

As empresas estão a exigir além de um diploma, mas profissionais que sejam capazes de inovar, criar, trabalhar em equipe e que busque novos insights, além de desenvolver boa comunicação, tanto para o atendimento ao cliente, quanto para transações internas.

Cursos on-line que contribuem com habilidades profissionais mais procuradas por empresas

Procura por cursos on-line cresce na quarentena

Com a concorrência do mercado de trabalho e a exigência por qualificação profissional cada vez mais em alta, o candidato precisa se atentar na escolha de cursos que realmente agreguem habilidades mais buscadas pelas empresas. Entre eles:

1. Adquirir habilidades na área de tecnologia 

A quarentena é um período bastante propício para muitos que buscam se qualificar a uma vaga de emprego na área de tecnologia da informação. Há tempos os negócios estão cada vez mais sendo influenciados pelas novas tecnologias. Para quem deseja continuar aprendendo ou desenvolver novas habilidades nessa área, são muitas as oportunidades, como segurança cibernética, introdução à Internet das Coisas, conceitos de programação, entre outros. 

2. Dominar um idioma estrangeiro

O conhecimento em um idioma é um requisito que faz bastante diferença em um currículo, já que o mercado está cada vez mais globalizado. A partir disso, o profissional que busca alcançar a tão sonhada vaga de emprego e deseja sobressair aos demais candidatos, pode aproveitar esse período de isolamento social para aprender um segundo, ou mais, idioma. 

Na busca pelo diferencial competitivo, é importante incluir aprendizagem de idiomas mais cobrados no mercado de trabalho, que são inglês, espanhol, francês, japonês, alemão e italiano, nessa ordem. Veja a importância dos idiomas, especialmente para multinacionais e no e-commerce: 

● Inglês: é a língua mais falada no mundo e cobrado em vagas de qualquer área profissional.

● Espanhol: segundo idioma mais exigido no mercado de trabalho, já que é a língua falada em mais de 44 países, especialmente os do Mercosul em que o Brasil faz parte desse bloco econômico. A exemplo, grande parte da indústria nacional depende direta ou indiretamente desses países.

● Francês: países como França, Bélgica, Suíça, Luxemburgo e Canadá falam francês. Vale ressaltar a França e o Canadá, que são países que mantêm boas relações diplomáticas e econômicas com o Brasil, sendo nosso país o maior parceiro comercial, da América Latina, com os franceses. Em solo nacional, são mais de 500 empresas francesas, o que torna o aprendizado do idioma francês online ou presencial, de grande importância profissional. 

● Japonês: aprender o idioma é uma grande oportunidade para quem deseja crescer no mercado, já que o Brasil e Japão têm fortes conexões comerciais. Sem contar que é um idioma chave para quem quer atuar nas áreas de nanotecnologia, games, robótica, TI, tecnologia das comunicações e outras.

● Alemão: a Alemanha faz parte dos maiores países parceiros comercial do Brasil. Sem contar que estudantes brasileiros conseguem, de forma mais fácil, bolsas de intercâmbio.

● Italiano: está entre os idiomas oficiais da União Europeia. Além disso, desde 2007 a Itália possui acordo bilateral de parceria estratégica com o Brasil, em que ambos cooperam em diferentes áreas. Sem contar que a Itália é um dos principais compradores de produtos nacionais e oferta vagas em território brasileiro em cerca de 900 empresas, exigindo fluência no italiano.

Então, quem pretende conquistar uma vaga de emprego em grandes empresas, é importante começar a aprender um idioma. Ao investir em um curso de francês online, por exemplo, além de poder estudar e praticar em qualquer lugar com internet, ao final do curso o candidato terá um diferencial em seu currículo por dominar um dos idiomas mais falados no mundo. E são muitas as portas abertas, inclusive nas áreas de moda, culinária e carreira diplomática.

3. Desenvolver noções de Comportamento organizacional

Alguns sites oferecem micro cursos gratuitos de Comportamento Organizacional. O objetivo é de abordar questões relevantes para gestores de novas operações. Entre elas, o curso busca orientar sobre valorização do ser humano no ambiente empresarial, liderança, questões motivacionais e tendências de gestão.

4. Ser um empreendedor de sucesso

Além dos candidatos, a pandemia também despertou o interesse em novos empreendedores que buscam desenvolver habilidades. Com foco no princípio de que é importante ter mais do que uma grande ideia para ser bem-sucedido nos negócios, empreendedores têm buscado cursos on-line que exploram comportamentos comerciais e financeiros, de forma a obterem uma mentalidade de negócios, inclusive, voltada a tecnologia.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247