Procurador quer investigação sobre jantar de Doria

Procurador regional eleitoral Luiz Carlos dos Santos Gonçalves disse não ver indícios de propaganda eleitoral antecipada em um discurso feito pelo candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, João Doria, durante um jantar promovido por uma empresa em junho, mas defendeu que sejam apuradas as suspeitas de que o jantar "tenha vertido verba para o então pré-candidato ou seu partido"

Procurador regional eleitoral Luiz Carlos dos Santos Gonçalves disse não ver indícios de propaganda eleitoral antecipada em um discurso feito pelo candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, João Doria, durante um jantar promovido por uma empresa em junho, mas defendeu que sejam apuradas as suspeitas de que o jantar "tenha vertido verba para o então pré-candidato ou seu partido"
Procurador regional eleitoral Luiz Carlos dos Santos Gonçalves disse não ver indícios de propaganda eleitoral antecipada em um discurso feito pelo candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, João Doria, durante um jantar promovido por uma empresa em junho, mas defendeu que sejam apuradas as suspeitas de que o jantar "tenha vertido verba para o então pré-candidato ou seu partido" (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O procurador regional eleitoral Luiz Carlos dos Santos Gonçalves disse em um parecer encaminhado ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de São Paulo não ver indícios de propaganda eleitoral antecipada em um discurso feito pelo candidato à Prefeitura de São Paulo, João Doria (PSDB), durante um jantar promovido por uma empresa em junho.

Apesar disso, o procurador defendeu que sejam apuradas as suspeitas de que o jantar "tenha vertido verba para o então pré-candidato ou seu partido".

A Justiça Eleitoral já havia negado uma ação do Ministério Púbico contra Doria por suspeita de propaganda eleitoral antecipada no jantar ocorrido em junho. Diante da recusa, a promotoria recorreu ao TRE, o que resultou no parecer do procurador. O Ministério Público também investiga o candidato tucano por abuso de poder econômico nas prévias da legenda.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247