PSB já vislumbra Eduardo Campos no segundo turno

Apesar das campanhas eleitorais oficiais começarem apenas em junho de 2014, as últimas pesquisas têm animado o partido quanto ao potencial de crescimento do governador de Pernambuco; "Vale observar que Campos ainda é desconhecido da maior parte do eleitorado. Com uma maior exposição, fazendo com que a população conheça o projeto do PSB, a tendência é de que ele chegue ao segundo turno. E em um segundo turno, ele é praticamente imbatível”, diz um pessebista de alto coturno

www.brasil247.com - Apesar das campanhas eleitorais oficiais começarem apenas em junho de 2014, as últimas pesquisas têm animado o partido quanto ao potencial de crescimento do governador de Pernambuco; "Vale observar que Campos ainda é desconhecido da maior parte do eleitorado. Com uma maior exposição, fazendo com que a população conheça o projeto do PSB, a tendência é de que ele chegue ao segundo turno. E em um segundo turno, ele é praticamente imbatível”, diz um pessebista de alto coturno
Apesar das campanhas eleitorais oficiais começarem apenas em junho de 2014, as últimas pesquisas têm animado o partido quanto ao potencial de crescimento do governador de Pernambuco; "Vale observar que Campos ainda é desconhecido da maior parte do eleitorado. Com uma maior exposição, fazendo com que a população conheça o projeto do PSB, a tendência é de que ele chegue ao segundo turno. E em um segundo turno, ele é praticamente imbatível”, diz um pessebista de alto coturno (Foto: Paulo Emílio)


Mariana Almeida _PE247 - Apesar das campanhas eleitorais oficiais começarem apenas em junho de 2014, as últimas pesquisas de intenção de voto tem animado o PSB quanto ao potencial de crescimento do governador de Pernambuco e pré-candidato à Presidência da República em 2014, Eduardo Campos. Tido como o mais desconhecido entre os postulantes que se colocam na corrida presidencial, Campos começa a crescer exponencialmente nas pesquisas de intenção de voto.

Nos últimos dados divulgados pelo Instituto Datafolha, no caso de um eventual segundo turno entre a chapa Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (PMDB) contra Eduardo Campos e Marina Silva (PSB), no Sudeste, o resultado seria de empate técnico. Se a candidata fosse Marina, Dilma perderia no maior colégio eleitoral do Brasil. No país, a vitória seria da petista, mas a diferença decresce a cada pesquisa. “Vale observar que Campos ainda é desconhecido da maior parte do eleitorado. Com uma maior exposição, fazendo com que a população conheça o projeto do PSB, a tendência é de que ele chegue ao segundo turno. E em um segundo turno, ele é praticamente imbatível”, diz um pessebista de alto coturno.

Os números divulgados pelo Datafolha mostram que, em um segundo turno Dilma/Temer contra Campos/Marina, no Sudeste, a porcentagem seria de 41% para a petista e 40% do socialista. Levando em conta a margem de erro – de dois pontos percentuais – o embate caracterizaria um empate técnico no maior colégio eleitoral do Brasil. Na totalidade do país, entretanto, a vitória ainda seria de Dilma: 46% contra 37%.

Se Marina Silva encabeçasse a chapa, tendo Campos como vice, em um segundo turno contra Dilma e Temer, as porcentagens nacionais caracterizariam outro empate técnico: 42% contra 44%, respectivamente. No Sudeste, porém, a vitória seria dos pessebistas, com 44% dos socialistas e 40% dos petistas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Entretanto, quando a pesquisa traz à tona os nomes de Aécio Neves (PSDB), Campos e Dilma no primeiro turno, os números demonstram vitória da petista com mais da metade dos votos válidos - sem necessidade, no caso, de segundo turno. Nesse cenário, Aécio conta com 21%, Campos, com 15% e Dilma, com 42%. Se juntados os votos dos adversários (21% com 15%, dando 36%), ainda assim Dilma não seria vencida.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os membros do PSB, porém, acreditam que, até dezembro, Campos deverá ultrapassar Aécio nas pesquisas. De acordo com os socialistas, o crescimento de Eduardo ainda crescerá mais devido à aliança da legenda com a Rede Sustentabilidade, há cerca de duas semanas, além da difusão do nome do governador nos diversos estados do Brasil. Para os pessebistas, a “falta de fermento” da candidatura de Aécio Neves – inclusive já confirmada por tucanos – é um fator que também ajudaria Campos a ultrapassar o adversário.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Quando questionado sobre o crescimento do governador de Pernambuco nas pesquisas, o senador Rodrigo Rollemberg (PSB-DF) afirmou que, quanto mais difundido for o nome de Campos, mais votos ele terá. “Durante essas pesquisas de opinião, temos notado uma tendência: quando as pessoas conhecem Eduardo, as propostas, as ideias dele, elas tendem a votar nele”, disse.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email