PT pede ao STF que impeachments de Dilma e Temer sejam julgados juntos

Deputado Reginaldo Lopes (PT-MG) protocolou no Supremo Tribunal Federal (STF) neste sábado, 16, um mandado de segurança requerendo que o pedido de impeachment contra o vice-presidente Michel Temer seja juntado ao processo movido contra a presidente Dilma Rousseff; "O Governo da Nação pode sair das mãos de quem foi democraticamente eleito pelo povo, indo para as mãos de uma pessoa que está sendo acusada de ter cometido exatamente os mesmos crimes", sustenta; Lopes solicitou também a suspensão da votação do domingo sobre o impeachment da petista e o retorno do processo à fase da Comissão Especial

Deputado Reginaldo Lopes (PT-MG) protocolou no Supremo Tribunal Federal (STF) neste sábado, 16, um mandado de segurança requerendo que o pedido de impeachment contra o vice-presidente Michel Temer seja juntado ao processo movido contra a presidente Dilma Rousseff; "O Governo da Nação pode sair das mãos de quem foi democraticamente eleito pelo povo, indo para as mãos de uma pessoa que está sendo acusada de ter cometido exatamente os mesmos crimes", sustenta; Lopes solicitou também a suspensão da votação do domingo sobre o impeachment da petista e o retorno do processo à fase da Comissão Especial
Deputado Reginaldo Lopes (PT-MG) protocolou no Supremo Tribunal Federal (STF) neste sábado, 16, um mandado de segurança requerendo que o pedido de impeachment contra o vice-presidente Michel Temer seja juntado ao processo movido contra a presidente Dilma Rousseff; "O Governo da Nação pode sair das mãos de quem foi democraticamente eleito pelo povo, indo para as mãos de uma pessoa que está sendo acusada de ter cometido exatamente os mesmos crimes", sustenta; Lopes solicitou também a suspensão da votação do domingo sobre o impeachment da petista e o retorno do processo à fase da Comissão Especial (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Minas 247 - O deputado Reginaldo Lopes (PT-MG) protocolou no Supremo Tribunal Federal (STF) neste sábado, 16, um mandado de segurança requerendo que o pedido de impeachment contra o vice-presidente Michel Temer seja juntado ao processo movido contra a presidente Dilma Rousseff.

"O Governo da Nação pode sair das mãos de quem foi democraticamente eleito pelo povo, indo para as mãos de uma pessoa que está sendo acusada de ter cometido exatamente os mesmos crimes", sustenta o parlamentar.

Lopes solicitou também a suspensão da votação do domingo sobre o impeachment da petista e o retorno do processo à fase da Comissão Especial. O argumento do pedido apresentado contra o peemedebista é de que o vice-presidente cometeu crime de responsabilidade e atentado contra a lei orçamentária ao assinar no ano passado, como presidente em exercício, quatro decretos que autorizavam a abertura de crédito suplementar sem aval do Congresso e em desacordo com a meta fiscal vigente. 

"Enquanto o impeachment de Michel Temer se arrasta a passos de tartaruga, o de Dilma Rousseff caminha a galopes de leopardo, e tem data para terminar, com sessões inclusive aos sábados e domingos!", argumenta o petista ao STF.

 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247