PTB deve perder secretaria no governo de Renan Filho

As mudanças de partido por parlamentares e candidatos mudou a correlação de forças na base aliada do governador Renan Filho (MDB); PSD, PDT, PCdoB, Avante e PR ocupam secretarias; um caso à parte é o do PTB; a sigla já mantinha a indicação da Secretaria do Trabalho e agora, após a “dança das cadeiras”, passou a ter na sua cota a da Mulher e dos Direitos Humanos; mas vai perder uma das duas

As mudanças de partido por parlamentares e candidatos mudou a correlação de forças na base aliada do governador Renan Filho (MDB); PSD, PDT, PCdoB, Avante e PR ocupam secretarias; um caso à parte é o do PTB; a sigla já mantinha a indicação da Secretaria do Trabalho e agora, após a “dança das cadeiras”, passou a ter na sua cota a da Mulher e dos Direitos Humanos; mas vai perder uma das duas
As mudanças de partido por parlamentares e candidatos mudou a correlação de forças na base aliada do governador Renan Filho (MDB); PSD, PDT, PCdoB, Avante e PR ocupam secretarias; um caso à parte é o do PTB; a sigla já mantinha a indicação da Secretaria do Trabalho e agora, após a “dança das cadeiras”, passou a ter na sua cota a da Mulher e dos Direitos Humanos; mas vai perder uma das duas (Foto: Voney Malta)

Por Edivaldo  Júnior/Gazetaweb.com - Depois do troca-troca de partido por parlamentares e candidatos que vão disputar as eleições deste ano, a correlação de forças mudou na composição do governo de Renan Filho.

O PSD de Marx Beltrão, por exemplo, tem agora a Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. O PDT de Ronaldo Lessa segue com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo, o PCdoB com a Pasta dos Esportes e o PR, após a aliança com Maurício Quintella, indicou a Secretaria de Infraestrutura.

A regra tem sido uma Pasta para cada partido, com exceção das secretarias que estão na área técnica ou na cota pessoal do governador.

O deputado federal Givaldo Carimbão, por exemplo, mudou do PHS para o Avante e a Secretaria de Prevenção á Violência, passou a ser indicada pela contabilizada na nova legenda do parlamentar.

Um caso à parte é do PTB. O partido já mantinha a indicação da Secretaria do Trabalho e agora, após a “dança das cadeiras”, passou a ter na sua cota outra importante Pasta, a da Mulher e dos Direitos Humanos.

A SEMDH foi indicada pela deputada Rosinha da Adefal, como ela se filiou ao PTB, o partido passou a ter duas secretarias.

O que deve acontecer agora, segundo um importante interlocutor do Palácio dos Palmares é que o partido perca uma das duas secretarias: “o governo trabalha com a expectativa de ampliar a sua base de apoio. Como o PTB passou a ter duas secretarias, é natural que uma delas, ou a do Trabalho ou a da Mulher, seja direcionada a outro partido”, aponta.

A deputada Rosinha da Adefal já teria sido avisada pelo governador Renan Filho de que será preciso resolver internamente, no PTB, qual das duas secretarias o governo irá escolher: “como a deputada mudou de partido sem combinar (antes ela era filiada ao Avante), indo para uma legenda que já está contemplada no governo, ela vai precisar definir com a direção do PTB qual secretaria será mantida”, adianta o interlocutor.

Em Alagoas, o PTB é presidido pelo deputado estadual Antônio Albuquerque e tem, entre seus filiados, além de Rosinha da Adefal, que atualmente é primeira suplente de deputado federal, o primeiro suplente de deputado federal Nivaldo Albuquerque e a deputado estadual Thaise Guedes.

A definição, avisa do interlocutor, será decidida nos próximos dias.

 

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247