Quase 240 prefeitos vão tentar reeleição

Número corresponde a mais da metade dos municípios do estado (55,8%) e a 88% dos gestores aptos à reeleição, 264, de acordo com levantamento da Confederação Nacional dos Municípios (CNM); 233 prefeitos querem continuar no cargo

Quase 240 prefeitos vão tentar reeleição
Quase 240 prefeitos vão tentar reeleição (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Correio da Bahia

Eleger-se prefeito e garantir oito anos no poder. A fórmula de disputar com controle da máquina pública tem dado tão certo que, este ano, 233 prefeitos baianos vão tentar a reeleição, segundo levantamento do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-BA). O número corresponde a mais da metade dos municípios do estado (55,8%) e a 88% dos gestores aptos à reeleição - 264, de acordo com levantamento da Confederação Nacional dos Municípios (CNM).

Tanta disposição tem um motivo: o resultado nas urnas, que é de encher os olhos dos gestores.  Segundo o estudo da CNM, em 2000,  288 prefeitos baianos tentaram a reeleição e 166 (57,6%) tiveram sucesso. Em 2004, dos 156 candidatos, 80 (51,3%) tiveram êxito. Na última eleição, a alta: dos 223 que tentaram, 142 (63,6%) conseguiram manter-se no poder.

“Em 2008, 85% dos prefeitos do PT que disputaram novamente conseguiram reeleger-se. E os prefeitos estão de olho nos resultados. Um gestor anuncia que dará continuidade a projetos que estão em andamento e os resultados acabam sendo positivos”, relata o presidente estadual do PT, Jonas Paulo.

Para o presidente estadual do PMDB, o deputado federal Lúcio Vieira Lima, ter a máquina por trás facilita a vitória. “Esse prefeito tem orçamento maior e está mais em evidência porque qualquer propaganda que faça de seu governo serve para a sua imagem”, opina. O parlamentar, no entanto, não aprova a reeleição. “O político hoje faz um governo populista, pensando na próxima eleição, e não em reformas profundas. Historicamente, o segundo mandato é pior que o primeiro, porque, como não podem mais concorrer, tendem a fazer menos. Por isso, sou a favor de um mandato mais longo”, pondera.

Já o presidente estadual do PSD, o vice-governador Otto Alencar, diz que arrecadação alta é o maior ingrediente na disputa: “Municípios como São Francisco do Conde, que arrecada mais que 192 municípios juntos, só perde eleição se a burrice for grande”. 

Partidos

Na Bahia, partidos da base do governo encabeçam o ranking de prefeitos que buscam reeleição. O PT tenta com 53 gestores, seguido de PSD (50), PP (29) e PMDB (25). Há quatro anos, essas legendas foram campeãs nas urnas. De acordo com a CNM, o PMDB elegeu 533 prefeitos no país – 23,74% do total–, o PSDB, 323 (14,39%); o PP, 216 (9,62%); e o PT, 208 (9,27%).

Os recursos do governo federal por meio de programas também são apontados como grandes responsáveis para o fenômeno. “O volume de recursos federais aumentou para os pequenos municípios. Assim, fica mais fácil gerir a cidade e criar um ambiente de estabilidade política”, sinaliza Jonas Paulo.

“É difícil levantar da cadeira. O prefeito só desiste do segundo mandato se for impedido judicialmente. E com recursos chegando até mesmo em pequenos municípios, alguns prefeitos conseguem tocar a gestão, mesmo com arrecadação baixa”, diz o presidente do PP na Bahia, deputado federal Mário Negromonte.

Outro lado

Então, por que nem todos os que poderiam tentar reeleição estão disputando o pleito? Eventuais reprovações pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) ou a falta de recursos das cidades menores são apontados como os principais motivos para que 31 prefeitos que poderiam seguir para o segundo mandato desistissem. 

“Cidades com menos de 10 mil habitantes não têm recursos. O prefeito não pode contar com a máquina para a disputa eleitoral e não tem assessoria técnica. Ele acaba esbarrando na Lei de Responsabilidade Fiscal e deixa de executar projetos”, diz Otto Alencar.

Entre as dez maiores cidades da Bahia, seis têm prefeitos concorrendo à reeleição: Feira de Santana, Vitória da Conquista, Itabuna, Juazeiro, Ilhéus e Alagoinhas. Já Salvador, Camaçari, Lauro de Freitas e Jequié estão fora porque os gestores concluem o segundo mandato.

Em Feira e Vitória da Conquista, segundo e terceiro maiores colégios eleitorais da Bahia, respectivamente, a disputa será acirrada e pode chegar ao segundo turno. 

Em Feira, a 108 quilômetros da capital, o prefeito Tarcízio Pimenta (PDT) quer estender o mandato e disputará o cargo com o ex-padrinho Zé Ronaldo (DEM), com o deputado estadual Zé Neto (PT), Jhonatas Monteiro (Psol) e Adelmo Menezes (PPL).

Em Conquista, o prefeito Guilherme Menezes (PT) tenta reeleger-se e terá que lutar com Abel Rebouças (PDT), Herzem Gusmão (PMDB), Edigar Mão Branca (PV) e Elquisson Soares (PPS).

Mesmo com tantos prefeitos querendo manter-se na cadeira, o número de candidatos à reeleição pode diminuir. Até quarta-feira, a Justiça Eleitoral rejeitou 3.149 candidaturas na Bahia, 64 delas a prefeito.

 

 

 

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email