Representantes da Cultura e estudantes se unem contra o golpe

Representantes da Cultura e estudantes fizeram um ato em Defesa da Democracia e da Legalidade na Esquina Democrática, na Capital; enquanto manifestantes se concentravam no local por volta das 18h, um grupo de estudantes partiu da Faculdade de Direito da UFRGS; “É um aquece para o 1º de maio, é uma roda de conversas”, comentou Pedro Loss, um dos organizadores da manifestação, referindo-se ao ato unificado no próximo domingo no Monumento do Expedicionário, no Parque da Redenção, em defesa da democracia e dos direitos trabalhistas  

Representantes da Cultura e estudantes fizeram um ato em Defesa da Democracia e da Legalidade na Esquina Democrática, na Capital; enquanto manifestantes se concentravam no local por volta das 18h, um grupo de estudantes partiu da Faculdade de Direito da UFRGS; “É um aquece para o 1º de maio, é uma roda de conversas”, comentou Pedro Loss, um dos organizadores da manifestação, referindo-se ao ato unificado no próximo domingo no Monumento do Expedicionário, no Parque da Redenção, em defesa da democracia e dos direitos trabalhistas
 
Representantes da Cultura e estudantes fizeram um ato em Defesa da Democracia e da Legalidade na Esquina Democrática, na Capital; enquanto manifestantes se concentravam no local por volta das 18h, um grupo de estudantes partiu da Faculdade de Direito da UFRGS; “É um aquece para o 1º de maio, é uma roda de conversas”, comentou Pedro Loss, um dos organizadores da manifestação, referindo-se ao ato unificado no próximo domingo no Monumento do Expedicionário, no Parque da Redenção, em defesa da democracia e dos direitos trabalhistas   (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Jaqueline Silveira, Sul 21 - Representantes da Cultura e estudantes fizeram um ato, na noite desta quinta-feira (28), em Defesa da Democracia e da Legalidade na Esquina Democrática, na Capital. Enquanto manifestantes se concentravam no local por volta das 18h, um grupo de estudantes partiu da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). “É um aquece para o 1º de maio, é uma roda de conversas”, comentou Pedro Loss, um dos organizadores da manifestação, referindo-se ao ato unificado no próximo domingo no Monumento do Expedicionário, no Parque da Redenção, em defesa da democracia e dos direitos trabalhistas.

No dia 17 de abril, a Câmara dos Deputados autorizou a abertura de processo de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff. Agora, o caso é analisado pelo Senado, que deverá votar no dia 11 de maio a instauração do processo. “É inaceitável que uma quadrilha de deputados faça um processo de impeachment de uma presidente que não é acusada de nenhum crime”, argumentou Loss, enquanto aguardava a chegada dos estudantes para dar início ao ato.

Para marcar o Dia Nacional de Luta dos Estudantes, os alunos que integram a Frente Universitária em Defesa da Democracia foram em caminhada até a Esquina Democrática e chegaram cantando: “A nossa Luta é todo dia, não vai ter golpe, vai ter democracia”, “Sou estudante, é pra valer, não vou deixar esse golpe acontecer.” A frente é constituída por alunos da UFRGS, PUCRS e Uniritter.

Com todos reunidos no local, os manifestantes usaram um megafone para dar o recado, que era repetido pelos demais para que a mensagem pudesse atingir quem passava pela Esquina Democrática. “No dia de hoje, de Norte a Sul, os estudantes mostraram mais uma vez seu compromisso com a democracia. No Brasil, não vai ter mais golpe”, pregou um dos manifestantes, convocando todos a irem para a rua lutar.  As intervenções eram intercaladas por cantos como: “A mensagem é dura, a Rede Globo apoiou a ditadura.”

“Nós não iremos aceitar nenhum presidente eleito indireto. Nós não vamos reconhecer, de forma alguma, o governo Temer”, afirmou a estudante de Jornalismo Laura Sito, uma das organizadoras da Frente Universitária, sobre a possibilidade de o vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), assumir o comando do país em caso de afastamento de Dilma. No ato, também sobraram críticas ao presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB), que liderou o processo de impeachment da presidenta, expressas em cartazes e nos gritos de “Fora Cunha!”

image

 | Foto: Guilherme Santos/Sul21

image

| Foto: Guilherme Santos/Sul21

image

| Foto: Guilherme Santos/Sul21

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email