Rui cobra corte em gastos e garante investimentos

O governador Rui Costa reuniu seus secretários na quinta-feira para reafirmar que vai apertar o cinto nas despesas com custeio da máquina para preservar investimentos e garantir o equilíbrio das contas; "Nós estamos cortando orçamento para manter o equilíbrio fiscal e investimentos para os baianos. É um sacrifício adicional para que a população que mais precisa não seja impactada neste final de ano", disse Rui; ele ressaltou que deve ser cumprido com rigor o decreto que determina máxima contenção de despesas e redução com terceirizados, diárias, viagens e aluguel de veículos

Governador Rui Costa se reúne com secretariado. Foto: Camila Souza/GOVBA
Governador Rui Costa se reúne com secretariado. Foto: Camila Souza/GOVBA (Foto: Romulo Faro)

Bahia 247 - O governador Rui Costa reuniu seus secretários na quinta-feira (26) para reafirmar que vai apertar o cinto nas despesas com custeio da máquina para preservar investimentos e garantir o equilíbrio das contas. "Nós estamos cortando orçamento para manter o equilíbrio fiscal e investimentos para os baianos. É um sacrifício adicional para que a população que mais precisa não seja impactada neste final de ano", disse Rui.

Por aproximadamente quatro horas, o governador foi objetivo ao falar sobre o momento dificuldade e a necessidade de gerir as finanças de todas as áreas da administração pública com máxima atenção e responsabilidade.

Rui ressaltou ainda que deve ser cumprido com rigor o decreto que determina máxima contenção de despesas e redução com terceirizados, diárias, viagens e aluguel de veículos. Rui pediu que todos os secretários fossem criativos no sentido de superar esse momento difícil, definindo medidas internas para atingir as metas estabelecidas. O decreto publicado este mês prevê economia de R$ 250 milhões.

O secretário da Fazenda, Manoel Vitório, enfatizou que as medidas têm como finalidade manter a máquina funcionando, garantir o pagamento dos salários em dia e o nível de investimento do Estado. Ele ressaltou que a Bahia sofre com os reflexos de um quadro nacional, que hoje registra retração na economia, aumento do desemprego e da inflação.

Vitório ressaltou a frustração da Secretaria da Fazenda com a transferência de recursos de convênios, que tinha a previsão de receber do governo federal R$ 1,7 bilhão, mas contabilizou apenas R$ 200 milhões em 2015. O Estado também teve frustrada a expectativa de arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS), de 10% para 5,7%.

Com relação ao Fundo de Participação dos Estados (FPE), havia a expectativa de repasse do Governo Federal para a Bahia de 8%, entretanto esse percentual ficou em 6,3%.

"Estamos fazendo um esforço muito grande para manter a regularidade fiscal. Vamos apertar ainda mais as contas nesse final de ano", comentou Manoel Vitório. Ele destacou que 15 dos 27 estados brasileiros já atrasaram os salários e a Bahia continua mantendo suas contas em dia.

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247