Rússia vai proibir Telegram em disputa sobre mensagens codificadas

Pavel Chikov, advogado que representa o Telegram, afirmou que a decisão do tribunal é um alerta para as empresas globais de tecnologia sobre os perigos de operarem na Rússia.

Rússia vai proibir Telegram em disputa sobre mensagens codificadas
Rússia vai proibir Telegram em disputa sobre mensagens codificadas
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

(Reuters) - Um tribunal da Rússia ordenou que o acesso ao serviço de mensagens Telegram seja bloqueado no país, no mais recente episódio de confronto entre uma empresa internacional de tecnologia com autoridades russas.

A decisão foi tomada uma semana depois que o órgão regulador de comunicações na Rússia, Roskomnadzor, abriu processo para limitar o acesso ao Telegram depois das recusas reiteradas da companhia em dar os serviços de segurança do país acesso às mensagens secretas dos usuários.

Como parte de seus serviços, o Telegram permite que mais de 200 milhões de usuários no mundo, incluindo importantes autoridades russas, se comuniquem via mensagens criptografadas que não podem ser lidas por terceiros.

Mas o serviço de segurança federal da Rússia, FSB, tem afirmado que precisa acessar algumas dessas mensagens para dar andamento a tarefas como defesa contra ataques terroristas. O Telegram tem se recusado a cumprir a exigência russa, citando respeito pela privacidade dos usuários.

O fundador e presidente do Telegram, Pavel Durov, afirmou que o aplicativo vai usar sistemas integrados para contornar o bloqueio russo, mas que não poderá garantir 100 por cento de acesso sem que o usuário utilize uma rede virtual privada (VPN).

Pavel Chikov, advogado que representa o Telegram, afirmou que a decisão do tribunal é um alerta para as empresas globais de tecnologia sobre os perigos de operarem na Rússia.

“Eles demonstraram mais de uma vez que o sistema judiciário está a serviço dos interesses de autoridades. Eles não se importam mais nem sobre manter aparências básicas”, disse o advogado.

Por Jack Stubbs e Andrey Ostroukh

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247