Saúde libera R$ 4,4 milhões para municípios afetados por tragédia ambiental

Portaria do Ministério da Saúde publicada no Diário Oficial da União autoriza o repasse de R$ 4,4 milhões para a implementação de ações contingenciais de vigilância sanitária nos estados e municípios afetados pelo rompimento da barragem de rejeitos da mineradora Samarco; de acordo com o texto, o recurso será repassado em parcela única do Fundo Nacional de Saúde para o estado do Espírito Santo e três cidades capixabas, além do estado de Minas Gerais e 26 municípios mineiros

Mariana (MG) - Rompimento de duas barragens da mineradora Samarco na última quinta-feira (5). Em meio ao cenário de muita lama, barro e destruição, o que restou lembra uma cidade fantasma (Antonio Cruz/Agência Brasil)
Mariana (MG) - Rompimento de duas barragens da mineradora Samarco na última quinta-feira (5). Em meio ao cenário de muita lama, barro e destruição, o que restou lembra uma cidade fantasma (Antonio Cruz/Agência Brasil) (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Paula Laboissière - Repórter da Agência Brasil

Portaria do Ministério da Saúde publicada nesta quarta-feira (4) no Diário Oficial da União autoriza o repasse de R$ 4,4 milhões para a implementação de ações contingenciais de vigilância sanitária nos estados e municípios afetados pelo rompimento da barragem de rejeitos da mineradora Samarco.

De acordo com o texto, o recurso será repassado em parcela única do Fundo Nacional de Saúde para o estado do Espírito Santo e três cidades capixabas, além do estado de Minas Gerais e 26 municípios mineiros.

Os critérios adotados para a distribuição do repasse, segundo a pasta, foram a existência de desabrigados e desalojados, o risco de desabastecimento de água e a população dos municípios.

A onda de lama formada a partir do rompimento da barragem, no dia 5 de novembro, destruiu o distrito de Bento Rodrigues, em Mariana (MG), e deixou mais de 600 desabrigados. Já foram confirmadas 11 mortes e dois corpos aguardam identificação. Oito pessoas continuam desaparecidas.

Desde que chegou ao Rio Doce, a lama impediu a captação de água em diversas cidades, provocou a morte de toneladas de peixes e destruiu a paisagem local, até alcançar o mar, no Espírito Santo.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247