Seca causa prejuízos de R$ 1,5 bilhão em Pernambuco

A maior seca dos últimos 50 anos da Região Nordeste gerou, até agora, um prejuízo de R$ 1,5 bilhão na pecuária de Pernambuco; o Estado registra diminuição de 17% na produção da sua bacia leiteira e o fim de 17% das propriedades; Pernambuco, que tem 132 dos 184 municípios em situação de emergência devido a estiagem, já perdeu cerca de 350 mil animais

Seca causa prejuízos de R$ 1,5 bilhão em Pernambuco
Seca causa prejuízos de R$ 1,5 bilhão em Pernambuco
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Leonardo Lucena_PE247 – A maior seca dos últimos 50 anos da Região Nordeste gerou, até agora, um prejuízo de R$ 1,5 bilhão na pecuária de Pernambuco. Ao compilar um levantamento feito pela Secretaria Estadual de Agricultura e Reforma Agrária (Sara), em 300 propriedades do Sertão e outras 300 do Agreste, para calcular perdas no setor pecuário, o Departamento de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo (USP) aponta diminuição de 17% na produção leiteira e o fim de 17% das propriedades.

O Estado, que tem 132 dos 184 municípios em situação de emergência devido a estiagem, já perdeu cerca de 350 mil animais, sendo 200 mil transportados para outras unidades federativas e o restante foram abatidos ou morreram. O secretário-executivo do Comitê Integrado de Enfrentamento à Estiagem, Reginaldo Alves, confirma as dificuldades de transporte do milho, principal fonte de energia do gado, que é transportado do Centro-Oeste para o Nordeste por problemas relacionados à logística.

O secretário estadual da Agricultura e Reforma Agrária, Ranilson Ramos, lembra que, de acordo com a pesquisa, 51% das propriedades não tinham, sequer, um reservatório de água. Além disso, 2,3 milhões de litros de leite eram produzidos diariamente antes da seca. Agora, este volume gira em torno de 720 mil litros diários. Dessa forma, o Governo Estadual reforça a necessidade do Banco do Nordeste (BNB) oferecer financiamentos para custear a bovinocultura, sob juros de 1% ao ano, com prazo de 10 anos para quitar a dívida e, caso o pecuarista pague em dia, haveria um abatimento de 40%.

Durante encontro com prefeitos na Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe) no último dia 18, o ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra Coelho (PSB), informou que foram liberados mais de R$ 2,5 bilhões para socorrer os municípios afetados pela estiagem, além de anunciar outros R$ 200 milhões em créditos emergenciais.

Porém, muitos criadores, que não têm condições de pagar, solicitam a anistia das dívidas. Esta anistia será defendida, inclusive, pelo governador Eduardo Campos (PSB) na reunião que os governadores do Nordeste terão com a presidente Dilma Rousseff (PT) na próxima semana para tratar dos problemas ocasionados pela seca.

Conforme já dito pelo Pernambuco 247, a Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia da Câmara Federal aprovou um projeto de lei complementar (249/07), de autoria do deputado Vander Loubet (PT-MS), para suspender temporariamente as dívidas dos municípios em situação de emergência. A matéria ainda está em tramitação na Casa.

Para ajudar os criadores de gado a alimentarem os seus animais, a Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária de Pernambuco (Adagro) implantou seis polos de distribuição de cana de açúcar nos municípios de Caruaru, Garanhuns, Arco Verde, Surubim, Itaíba e São Bento do Una. Esses polos distribuem 100 toneladas de cana por dia. Já em Pesqueira e Bom Conselho, este volume é de 80 toneladas diárias.

Além desta medida, outra em vigência é a forragem de milho por meio de irrigação, em Petrolina, Sertão do Estado. Segundo Reginaldo Alves, esta alternativa foi viabilizada por causa do alto custo de transporte de cana para ao Sertão. “A primeira etapa está em andamento, são 140 hectares de forragem de milho, em Petrolina, para atender 11 municípios do Sertão do São Francisco, do Araripe e o Sertão Central”, acrescentou o secretário-executivo.

Com o objetivo de distribuir milho aos estados afetados pela seca, o Governo Federal conta com o Programa Venda Balcão, da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), que, segundo Alves, está ciente da necessidade de Pernambuco adquirir dez toneladas de milho por mês. No entanto, o dirigente informou que houve um acordo entre os Executivos federal e estadual no ano passado, estabelecendo que o Estado seria beneficiado com 30 toneladas de milho do meio do ano até dezembro. E, daí por diante, o Estado seria contemplado com mais 33 toneladas até abril deste ano.

O secretário confirma a logística como um entrave para a aquisição do milho. “Temos algumas dificuldades para o transporte do milho, falta de caminhão... Temos agora outro problema porque a safra da soja ‘entrou’ e muitos caminhões preferem transportar soja do que  milho. A logística do milho do Mato Grosso e de Goiás (dois dos principais estados produtores de soja do País) tem dificultado essa meta de dez toneladas-mês”, afirmou.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email