Seca: deputados discutem quem fez 'mais' em reunião

Cefe da Casa Civil e pré-candidato ao governo, Rui Costa (PT), foi à Assembleia Legislativa apresentar ações de Jaques Wagner para minimizar os efeitos da estiagem; oposição disse que o ex-governador Paulo Souto (DEM) fez mais; situação rebateu dizendo que quem ficou de braços cruzados foi o democrata; presidente da Comissão de Meio Ambiente, deputado Leur Lomanto Jr. (PMDB), avaliou o encontro como necessário para o Estado se explicar

Seca: deputados discutem quem fez 'mais' em reunião
Seca: deputados discutem quem fez 'mais' em reunião
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Bahia 247

As bancadas de governo e oposição da Assembleia Legislativa bateram de frente na audiência pública promovida pela Comissão de Meio Ambiente, Seca e Recursos Hídricos da Casa para discutir os efeitos devastadores da seca que castiga a Bahia e o Nordeste há dois anos e é considerada uma das piores da história.

O chefe da Casa Civil e pré-candidato ao governo do estado pelo PT, Rui Costa, discursou por quase duas horas para apresentar as medidas adotadas pela gestão de Jaques Wagner com objetivo de diminuir o sofrimento do povo sertanejo. Os deputados da minoria rebateram os argumentos do petista e disseram que se fez muito mais na gestão do ex-governador Paulo Souto, do DEM.

Os parlamentares concluíram que é necessário 'desburocratizar' os trâmites para que as ações cheguem aos municípios. Presidente da comissão, o deputado Leur Lomanto Jr. (PMDB) avaliou que o debate foi importante para esclarecer quais das ações anunciadas têm chegado aos lugares mais atingidos pela estiagem.

"Cumprimos nosso papel de discutir as demandas da seca, o que pode subsidiar os organismos e entidades a gerenciarem melhor esse período de dificuldades e minorar os prejuízos para produtores, agricultores e todos os cidadãos que têm sido impactados pelo fenômeno. Foi uma grande oportunidade para o governo destacar o que tem sido realizado, para os deputados apresentarem suas ideias, questionamentos e propostas e para o público presente avaliar o problema".

Embora tenha sido bastante pressionado pelos deputados da bancada de oposição, que contestaram os dados apresentados, o secretário Rui Costa destacou como positiva a reunião. "Aqui é a casa do povo e da política. Foi excelente porque trouxe mais informação para o Parlamento e nos possibilita novos elementos e ideias".

Segundo ele, o governo tem investindo em programas e obras, na região do semiárido, a exemplo da construção da adutora de Juazeiro, que atenderá 38 municípios, beneficiando 1,1 milhão de pessoas. Conforme o coordenador estadual, o governo federal também deve investir cerca de R$2 bilhões na Bahia, entre obras, financiamentos e bolsa estiagem.

O líder da minoria, deputado Elmar Nascimento (PR), contestou os dados. "Se tivessem gasto isso tudo não falávamos mais em seca na Bahia. São sete anos de governo e somente agora identificaram que teria que fazer obras?".

O líder do governo, deputado Zé Neto (PT), contrapôs e disse que foi a gestão passada quem ficou de braços cruzados. "Precisamos sair daqui com menos palanques e mais soluções".

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247