Sexóloga que acusa Edi Rock de estupro detalha encontro com o rapper

Juliana Thaisa afirma que o artista do Racionais MC's tentou levá-la para o banheiro à força, além de passar mão em seus seios e nádegas

www.brasil247.com - Juliana Thaisa e Edi Rock
Juliana Thaisa e Edi Rock (Foto: Reprodução)


Metrópoles - Após acusar o rapper Edi Rock, integrante do Racionais MC’s, de estupro, a sexóloga Juliana Thaisa deu mais detalhes sobre o ocorrido e os supostos momentos de tensão que passou com o artista. Ele nega as acusações e diz que “passou a mão” no corpo da mulher de forma consensual.

Em entrevista ao portal G1, Juliana relata que Edi a agarrou, colocou as mãos por baixo de sua blusa, tocou em seus seios e nádegas, tentou abaixar sua calça e beijá-la à força. Tudo aconteceu, de acordo com ela, enquanto sua filha de 3 anos dormia no quarto ao lado.

De acordo com Juliana, ela sempre foi fã do grupo de rap, um dos mais respeitados do país, e começou a trocar mensagens com Edi Rock no Instagram após comentar uma foto do rapper.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Ele perguntou do meu trabalho, elogiou meu trabalho, trouxe questões da sexualidade dele. A gente foi falando sobre isso, até o momento em que ele passou a me elogiar e começou aquele climinha”, comentou ela.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Em momento algum eu afirmei que me relacionaria com ele, mas, sim, eu queria uma aproximação. É uma pessoa que eu era fã, então é óbvio que eu queria conhecer, me aproximar dele”, completou.

Dia do encontro

Segundo a sexóloga, no dia do encontro, o músico ligou e avisou que estava próximo ao seu apartamento e perguntou se poderia “passar para dar um oi”. Sozinha com a filha, Juliana alega que se sentiu desconfortável com as reações do artista enquanto os dois falavam sobre o trabalho dela.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Minha filha dormiu e eu já estava bem desconfortável. Então dei a deixa para ele ir embora”, diz ela, completando que Rock levou seu trabalho como sexóloga “para um contexto sexual”.

“Fui dar um abraço, mas um abraço de despedida, só com os braços. Em nenhum momento encostei meu corpo nele. Ele pegou com as duas mãos na minha bunda e me puxou pra perto dele”, diz ela.

“Tomei um susto e empurrei ele. [Falei] ‘Cara, você tá viajando, minha filha está aqui do nosso lado’. Ele falou: ‘Vamos para o banheiro’. Ele quis me levar para o banheiro à força. Foi me empurrando, eu fui empurrando de volta e [falando]: ‘Me solta, me solta'”, contou ela sobre a ocasião.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Perto do banheiro, o rapper teria encostado Juliana na parede e passado a mão pelo seu corpo, enquanto tentava beijá-la: “Quando aconteceu isso, eu abri a porta da minha casa e pedi para ele sair. Ele não quis sair de jeito nenhum.”

“Peguei o interfone para ligar para o porteiro e pedir ajuda. Nesse momento, ele perdeu o controle”, lembra ela. “Ele foi direto no meu aparelho de wi-fi e puxou os fios. Começou a falar: ‘Pode ligar’. Entendo que ele deduziu que peguei um telefone, e não o interfone.”

Ela diz que o rapper não quis sair de sua casa e, por isso, pegou a filha no colo e correu para o hall do prédio. Quando entrou no elevador, ele teria segurado a porta para que o elevador não descesse.

Neste momento, Juliana diz que conseguiu correr de volta para casa e chamar a polícia. A corporação encontrou Edi Rock dentro do carro estacionado em frente ao prédio, e o boletim de ocorrência foi registrado no dia seguinte.

“Quanto todo mundo foi embora, caí de joelhos do lado da minha filha, abracei ela e comecei a pedir perdão. Eu me senti muito culpada por ter deixado uma pessoa que não conhecia entrar na minha casa. Me senti responsável pelo risco que a gente correu”, lamentou.

Posicionamento de Rock

Juliana publicou um longo texto sobre o suposto ocorrido em suas redes sociais nessa terça-feira (21). De acordo com ela, o caso aconteceu há pouco mais de um ano, mas ela não quis expor para preservar a filha.

Em seu Twitter, Rock alegou inocência e disse que “já foi comprovado pela Justiça que [a acusação] é mentira”. Segundo ele, “os fatos expostos tornaram a narrativa apresentada ilegítima e caluniosa”.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email