Silvio Costa: impeachment é “seguro cadeia” para Cunha

Sem papas na língua, o deputado federal Sílvio Costa (PTdoB-PE) proferiu um dos seus mais duro discursos contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), quem conduz o processo de impeachment na Casa; na avaliação do parlamentar, a renúncia da presidente Dilma seria um "seguro cadeia" para o peemedebista; Costa sugeriu que o impeachment é uma forma de blindar políticos contra as investigações da Operação Lava Jato; "Eduardo Cunha que devia estar preso, [...] está presidindo uma sessão pra cassar o mandato de uma mulher eleita por 54 milhões de brasileiros e que não cometeu crime”, disse; Costa também disse ter "nojo" do vice-presidente Michel Temer

Vice líder do governo na Câmara, Silvio Costa (PTdoB-PE)
Vice líder do governo na Câmara, Silvio Costa (PTdoB-PE) (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Pernambuco 247 - Sem papas na língua, o deputado federal Silvio Costa (PTdoB-PE) proferiu um dos seus mais duro discursos contra o presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), quem conduz o processo de impeachment na Casa. Na avaliação do parlamentar que atua por Pernambuco, a renúncia da presidente Dilma seria um "seguro cadeia" para o peemedebista. Costa sugeriu que o impeachment é uma forma de blindar políticos contra as investigações da Operação Lava Jato, da Polícia Federal.

“Depois que descobriram contas dele [Eduardo Cunha] na Suíça, eu parei de bater no deputado Eduardo Cunha. Parei porque ninguém chuta cachorro morto, mas hoje vou ter que bater porque o cachorro continua latindo”, disparou Sílvio Costa. 

Segundo o parlamentar, o processo de impeachment da presidente é resultado de “ódio” e “vingança” de Cunha. "Eduardo Cunha que devia estar preso, [...] está presidindo uma sessão pra cassar o mandato de uma mulher eleita por 54 milhões de brasileiros e que não cometeu crime”, disse. 

O congressista afirmou ter “nojo” do vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), e o acusou de estar “querendo arrancar” mandato da presidente Dilma ”sem que ela tenha cometido um crime".

"Outro cara que estou com nojo - essa é a palavra – [...] é Michel Temer. Eu não tenho outra palavra que não nojo. Faz dois anos que ele vem conspirando contra a presidente”, disse. De acordo com o deputado, Tmer prometeu a Petrobras para Cunha e Furnas para o senador Aécio Neves (PSDB-MG).

O deputado disse políticos defensores do impeachment "não têm moral, ética, respeito" para pedir o impeachment da presidente Dilma. "Não vão conseguir derrubar uma mulher de bem. A falsidade não ganhará da verdade".

Acusações

Conforme já publicou o 247, Cunha é réu no Supremo Tribunal Federal (STF) pelo recebimento de propina desvendado pela Operação Lava Jato. O peemedebista já era acusado de ter recebido US$ 5 milhões de propina por um contrato de navios-sondas da Petrobras, conforme foi apontado  em delação premiada pelo consultor Júlio Camargo. O procurador da República, Rodrigo Janot, confirmou as acusações.

Segundo as investigações, o negócio foi feito sem licitação e ocorreu por intermediação do empresário Fernando Soares e o ex-diretor da área internacional da Petrobras Nestor Cerveró. 

Cunha foi alvo da nova denúncia. Um dos delatores da 'Lava Jato', o empresário Ricardo Pernambuco Júnior, da Carioca Engenharia, afirmou que as empresas ligadas à construção do Porto Maravilha, no Rio de Janeiro, teriam que pagar R$ 52 milhões em propinas [cerca de ou 1,5% do valor total dos Certificados de Potencial de Área Construtiva (Cepac)] a Cunha (veja aqui).

O senador Aécio Neves também foi citado por delatores na Operação Lava Jato. O senador  O senador Delcídio Amaral (PT-MS) afirmou que o tucano de ter recebido propina no esquema de corrupção em Furnas. A declaração foi feita em delação premiada homologada pelo ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal.

"Questionado ao depoente quem teria recebido valores de Furnas, o depoente disse que não sabe precisar, mas sabe que Dimas [Toledo, ex-presidente de Furnas] operacionalizava pagamentos e um dos beneficiários dos valores ilícitos sem dúvida foi Aécio Neves", diz trecho da delação. O acordo também prevê que Delcídio pague uma multa de R$ 1,5 milhão em dez parcelas.

O tucano também foi citado pelo doleiro Alberto Youssef, que apontou Aécio como o mentor intelectual de um mensalão em Furnas, que distribuía mesadas de US$ 100 mil a parlamentares – entre eles, o finado José Janene, que foi sócio de Youssef.

O lobista Fernando Moura afirmou que um terço da propina em Furnas era destinada ao senador. O entregador de propinas Carlos Alexandre de Souza Rocha, o "Ceará", disse que o tucano era "o mais chato" cobrador das entregas de recursos da empreiteira UTC (veja aqui).

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247