Só, Demóstenes sobe ao cadafalso da cassação

Plenário do Senado vota, a partir das 10 horas de amanhã, a interrupção do mandato do senador Demóstenes Torres; nos últimos dias, em discursos sem audiência, ele não convenceu ninguém; nem o voto secreto poderá salvá-lo da degola

Só, Demóstenes sobe ao cadafalso da cassação
Só, Demóstenes sobe ao cadafalso da cassação (Foto: Frame/Folhapress)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Unanimidade entre seus pares da Comissão de Ética, que no voto aberto recomendaram a perda de seu mandato e, outra vez na Comissão de Constituição e Justiça, com todos os votos favoráveis à lisura do processo de sua cassação, o senador Demóstenes Torres chega nesta quarta-feira 11 ao fim da linha. A partir das dez horas da manhã, o plenário do Senado começa o julgamento final de sua cassação, pelo sistema do escrutíneo secreto. O que poderia ser para ele uma vantagem decisiva, não fará, segundo os prognósticos, grande diferença a seu favor. Afinal, mesmo indo votar longe dos  olofotes da mídia, os senadores não obtiveram nenhum motivo concreto para poupar Demóstenes da cassação.

Em seu rosário de discursos ao plenário vazio, nos últimos dias, o senador cujo mandato sobe ao cadafalso da cassação não conseguiu sensibilizar ninguém com sua autocrítica tardia, baseada na garantia de que, agora, estaria mais maduro para exercer o mandato. No caso do senador por Goiás, além de um passado que o condena, pelas ligações provadas e comprovadas com o contraventor Carlinhos Cachoeira, há a permanente postura da dubiedade. Antes, em franca atuação favorável a atividades moralmente discutíveis como o jogo, ele se perfilava da tribuna como arauto da ética. Agora, quem pode acreditar que ele estaria mais maduro para, enfim, exercer com dignidade seu mandato?

Ainda que se lhe conceda o benefício da dúvida, o fato superveniente é o de que é tarde demais para absolver Demóstenes. O mal que ele fez  aos costumes políticos, agindo de maneira ambivalente diante de seus eleitores, a quem deveria ter dedicado o mandato, e de seu chefe real, o hoje prisioneiro Cachoeira, é inaceitável para aos próprios senadores. Com seu jogo duplo, ele lançou mais manchas à já tisnada reputação pública do Senado, com suas regalias e mordomias criticadas em todo o País.

Tirar de Demóstenes o mandato que lhe foi conferido pelo povo, pelo motivo de traição aos compromissos assumidos publicamente em troca de acordos espúrios com uma organização crimimosa, será um bem que o Senado fará à própria instituição. Casa dos sábios na antiga Grécia, a chamada Câmara Alta saíra mais limpa do episódio ao cumprir sua obrigação de sintonia com o clamor popular. O exemplo da degola de Demóstenes, por outro lado, deverá servir para que futuros usurpadores de mandatos populares pensem bem mais que duas vezes antes de jogarem seus votos no lixo em troca de ligações perigosas.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247