TJ-SP mantém absolvição de 12 acusados por cratera no metrô

Decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo sobre a tragédia que deixou sete mortos em 2007, quando uma cratera se abriu no chão durante a obra da Linha 4-Amarela do Metrô paulista, foi tomada por 2 votos a 1, em resposta a recurso da Promotoria, que pedia a condenação das pessoas ligadas às construtoras ou ao Metrô sob a alegação de que os envolvidos sabiam da possibilidade de haver um desabamento no local; "Neste país, parece que sempre ganha o mais forte", disse o parente de uma das vítimas

Decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo sobre a tragédia que deixou sete mortos em 2007, quando uma cratera se abriu no chão durante a obra da Linha 4-Amarela do Metrô paulista, foi tomada por 2 votos a 1, em resposta a recurso da Promotoria, que pedia a condenação das pessoas ligadas às construtoras ou ao Metrô sob a alegação de que os envolvidos sabiam da possibilidade de haver um desabamento no local; "Neste país, parece que sempre ganha o mais forte", disse o parente de uma das vítimas
Decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo sobre a tragédia que deixou sete mortos em 2007, quando uma cratera se abriu no chão durante a obra da Linha 4-Amarela do Metrô paulista, foi tomada por 2 votos a 1, em resposta a recurso da Promotoria, que pedia a condenação das pessoas ligadas às construtoras ou ao Metrô sob a alegação de que os envolvidos sabiam da possibilidade de haver um desabamento no local; "Neste país, parece que sempre ganha o mais forte", disse o parente de uma das vítimas (Foto: Gisele Federicce)

SP 247 – O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) manteve a absolvição, nesta quinta-feira 17, de 12 pessoas envolvidas com a tragédia ocorrida em 2007 durante as obras da Linha 4-Amarela, do Metrô de São Paulo.

Na ocasião, uma cratera se abriu no chão no bairro de Pinheiros, engolindo sete pessoas – seis delas não trabalhavam na construção, apenas caminhavam pelo local.

A decisão do TJ foi tomada por 2 votos a 1, em resposta a recurso da Promotoria, que pedia a condenação das pessoas ligadas às construtoras ou ao Metrô sob a alegação de que os envolvidos sabiam da possibilidade de haver um desabamento no local.

"Neste país, parece que sempre ganha o mais forte", lamentou Silvio Antônio de Azevedo, que teve a mãe engolida e morta pela cratera, segundo relato em reportagem da Folha de S. Paulo.

Os réus já haviam sido absolvidos na primeira instância, em maio deste ano.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247