Tribunal vê risco de prejuízo e manda parar licitação de varrição de Doria

Por ver risco de prejuízo aos cofres públicos, o Tribunal de Contas do Município de São Paulo mandou nesta quarta (4) a prefeitura suspender a publicação do edital da licitação de varrição de ruas, um dos símbolos do prefeito João Doria (PSDB); a publicação do edital para serviços que consomem R$ 1,1 bilhão ao ano estava prevista para a próxima terça (10); conselheiro João Antonio diz em despacho que a minuta que a prefeitura já divulgou, a qual divide a cidade em dois lotes, e não cinco, restringe a competitividade da licitação

 João Doria 
 João Doria  (Foto: Giuliana Miranda)

SP 247 - O Tribunal de Contas do Município de São Paulo mandou nesta quarta (4) a prefeitura suspender a publicação do edital da licitação de varrição de ruas, um dos símbolos do prefeito João Doria (PSDB). O órgão diz que há risco de prejuízo para o poder público no modelo adotado, que divide a cidade em dois lotes.

A publicação do edital para serviços que consomem R$ 1,1 bilhão ao ano estava prevista para a próxima terça (10). O contrato que está em vigor vence no dia 14 de dezembro. O tribunal recomendou que a prefeitura não faça contrato de emergência. 

O conselheiro João Antonio diz em despacho que a minuta que a prefeitura já divulgou, a qual divide a cidade em dois lotes, e não cinco, restringe a competitividade da licitação. O ex-prefeito Fernando Haddad havia criado um edital que previa cinco lotes, mas Doria pediu que ele deixasse essa concorrência para o futuro prefeito. Haddad topou.

O conselheiro também recomendou que a prefeitura faça a licitação por meio de pregão eletrônico, e não concorrência pública. Segundo ele, o pregão permite que empresas de todo o Brasil participem da disputa, o que deve provocar queda de preço. "Tem de ser pregão eletrônico e a cidade dividida em no mínimo cinco lotes para evitar a cartelização e ampliar a concorrência", disse João Antonio à Folha.

Ainda segundo o conselheiro, há indícios de direcionamento para empresas que já prestam esse serviço na minuta divulgada. Uma das exigências para um dos lotes é que a empresa comprovasse que no ano anterior havia varrido 968.131,71 quilômetros. No outro lote, pedia-se comprovação de varrição em 797.003,88 quilômetros. "Isso, evidentemente, só é alcançável por empresas que tenham prestado serviço como esse em cidades de porte como São Paulo", escreveu João Antonio no despacho. Atualmente a varrição é feita por dois consórcios: Soma e Inova.

As informações são de reportagem de Mario Cesar Carvalho e Thais Bilenky na Folha de S.Paulo.

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247