Trump classifica Xiaomi como "empresa militar comunista" e dá ultimato para saída

Empresa chinesa é acusada de espionagem e tida como um risco para a segurança nacional dos Estados Unidos. A Xiaomi nega as acusações e avalia a situação antes de tomar qualquer atitude

(Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Xiaomi, terceira maior fabricante de smartphones do mundo, foi acusada pelo atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de ser uma "empresa militar comunista" da China e de espionar a mando do governo chinês. 

Trump ainda deu um ultimato à empresa de tecnologia, que significa ela tem até 11 de novembro deste ano para cortar totalmente os laços com o país ou abrir um braço estadunidense independente.

Em nota, a Xiaomi negou as acusações, afirmando que "opera em conformidade com as leis relevantes e jurisdições regulamentares nos locais em que mantém negócios", e que "não é controlada, chefiada ou afiliada a militares chineses e nem é uma 'empresa comunista militar chinesa', como diz a documentação".

A empresa chinesa avalia a situação antes de tomar qualquer atitude.

Suas ações tiveram uma queda de 10% na bolsa de valores de Hong Kong após o anúncio do Departamento de Defesa, reporta o Tecmundo.

A lista inclui outras empresas, como a COMAC, do ramo aeroespacial, que a China pretende desenvolver como competidora contra a Boeing e a Airbus.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email