Tucano Marcos Zerbini vai presidir CPI da Merenda em SP

A primeira reunião, na qual foi instalada a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Merenda Escolar da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), definiu nesta quarta (22) o deputado Marcos Zerbini (PSDB) como presidente e Adilson Rossi (PSB) como vice-presidente do colegiado; segundo Zerbini, a ideia é que o relator não seja do PSDB, seu partido, ao qual também é filiado o governador do estado, Geraldo Alckmin

A primeira reunião, na qual foi instalada a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Merenda Escolar da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), definiu nesta quarta (22) o deputado Marcos Zerbini (PSDB) como presidente e Adilson Rossi (PSB) como vice-presidente do colegiado; segundo Zerbini, a ideia é que o relator não seja do PSDB, seu partido, ao qual também é filiado o governador do estado, Geraldo Alckmin
A primeira reunião, na qual foi instalada a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Merenda Escolar da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), definiu nesta quarta (22) o deputado Marcos Zerbini (PSDB) como presidente e Adilson Rossi (PSB) como vice-presidente do colegiado; segundo Zerbini, a ideia é que o relator não seja do PSDB, seu partido, ao qual também é filiado o governador do estado, Geraldo Alckmin (Foto: Valter Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Agência Brasil - A primeira reunião, na qual foi instalada a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Merenda Escolar da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), definiu hoje (22) o deputado Marcos Zerbini (PSDB) como presidente e Adilson Rossi (PSB) como vice-presidente do colegiado. Ainda falta definir a relatoria, decisão que, segundo Zerbini, deve sair na próxima reunião, marcada para terça-feira (28).

Segundo Zerbini, a ideia é que o relator não seja do PSDB, seu partido, ao qual também é filiado o governador do estado, Geraldo Alckmin. “O PSDB já tem a presidência, e a relatoria será de outro partido.”

Dos nove deputados que vão integrar a CPI, apenas Alencar Santana, do PT, não faz parte da base do governo Alckmin. Além de Santana, integram a CPI os deputados Barros Munhoz (PSDB), Estevam Galvão (DEM), Jorge Caruso (PMDB), Gilmaci Santos (PRB), Coronel Camilo (PSD) e Delegado Olim (PP).

Com duração de 120 dias, a CPI vai apurar e investigar o fornecimento de merenda escolar em todas as escolas estaduais nos contratos firmados por empresas e por cooperativas de agricultura familiar com o governo de São Paulo e municípios paulistas. Além disso, a CPI vai apurar a ação de agentes públicos e políticos no esquema, que já é alvo de investigação pelo Ministério Público, na Operação Alba Branca.

Primeira reunião

A reunião desta tarde, realizada no pequeno plenário José Bonifácio, foi tumultuada e estava lotada por estudantes, jornalistas, professores e curiosos. Zerbini tentou marcar uma reunião fechada para a próxima terça-feira, às 10h, mas foi vaiado pelos estudantes, que queriam um encontro aberto. Por causa da pressão dos estudantes, o deputado mudou de ideia e decidiu marcar a reunião forma aberta e, em seguida, encerrou os trabalhos, sem qualquer deliberação.

“Seria muito produtivo fazer uma reunião só com os deputados, seus assessores e a imprensa, mas não temos nada a esconder. Então, não há qualquer problema, a reunião será aberta", disse Zerbini. Ele ressaltou, porém, que o problema em reuniões abertas é que o pessoal começa a gritar palavras de ordem e o trabalho não caminha. "É uma investigação pública, mas, como toda investigação, ela precisa ter um rito”, disse Zerbini, em entrevista a jornalistas. “Queríamos fazer de forma mais reservada para organizar o trâmite de toda a CPI e depois fazer a CPI toda aberta.”

O deputado Marcos Zerbini afirmou que a CPI vai apurar o que tem que ser apurado. "Não acredito que ela acabará em pizza.”

“Teremos que ouvir primeiramente o delegado, o promotor público que abriu o processo, as pessoas que fizeram as acusações”, informou o presidente da CPI. Segundo Zerbini, o presidente da Alesp, Fernando Capez (PSDB), investigado na Operação Alba Branca, que apura irregularidades na compra de merenda no estado e que deu origem a esta CPI , também deverá ser ouvido.

Para Alencar Santana, único parlamentar da oposição na CPI, a base do governo está tentando "criar uma cortina de fumaça" para tirar o foco do governo do estado, que é responsável pelos contratos. Na opinião de Santana, a CPI da Merenda deveria se concentrar em investigar o governo de São Paulo, e não as prefeituras de todo o estado, o que deveria ser competência de cada câmara de vereadores.

“Não podemos ficar só no contrato da Coaf [Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar]. Queremos saber se há uma máfia da merenda, se há mais empresas envolvidas. Quais são as grandes empresas que fornecem a merenda para o estado de São Paulo? Tem muita coisa que a Assembleia pode apurar e que envolve o governo estadual. Criar uma cortina de fumaça querendo investigar município é mais uma tática do PSDB e da base do Alckmin, que não querem investigação profunda sobre aquilo que os atinge.”

Santana pretende entrar na Justiça para que mais um deputado da oposição integre a CPI. “Isso é direito, e quem diz é o Regimento Interno, Artigo 26”, disse o deputado, que quer se candidatar à relatoria da CPI.

Operação Alba Branca

A Operação Alba Branca foi deflagrada no dia 19 de janeiro pela Polícia Civil e pelo Ministério Público Estadual de São Paulo, que investigam um esquema de fraude na compra de alimentos para a merenda escolar de prefeituras e do governo do estado. Conforme as denúncias, o esquema envolve principalmente contratos firmados entre uma cooperativa de agricultura familiar (Coaf) com prefeituras paulistas e o governo paulista.

Segundo o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de Ribeirão Preto, as fraudes nas contratações da merenda feitas entre 2013 e 2015 somam R$ 7 milhões, sendo R$ 700 mil destinados ao pagamento de propina e comissões ilícitas.

O advogado da Coaf, Willian Rafael Gimenez, disse que a empresa não teme as investigações e a CPI. “Apoiamos integralmente a investigação feita tanto pelo Poder Judiciário, pela polícia e pelo Ministério Público quanto pela comissão parlamentar de inquérito. E vamos colaborar com todas as investigação.”

De acordo com Gimenez, a prioridade é pagar os contratos com os fornecedores, trabalhadores e todos os que foram lesados por esse esquema fraudulento. "Vamos precisar da compreensão de todos, porque estamos em um momento complicado, passando por uma grande crise, mas a cooperativa diverge de seus membros e das pessoas que podem ter cometido os crimes”, afirmou o advogado.

Críticas à CPI

Os estudantes, que ocuparam a Assembleia Legislativa no início de maio, pressionando pela criação da CPI da Merenda, pretendem se manter mobilizados e ameaçam voltar a ocupar a Alesp, dependendo dos rumos da comissão. “Vamos primeiro acompanhar tudo o que vai acontecer na Alesp e organizar uma tática de ação nos municípios porque, a partir de agora, virão vários nomes de agentes públicos e empresas envolvidas", disse o presidente da União Paulista dos Estudantes Secundaristas, Emerson Santos.

Segundo Santos, os estudantes devem estar preparados para fazer pressão também nos municípios. "Se for preciso, vamos radicalizar e ocupar novamente o espaço, porque é inaceitável que uma CPI que foi fruto da luta dos estudantes, pedindo transparência, logo no primeiro dia, queira chamar uma reunião fechada, impedindo a nossa participação. É um absurdo. Não vamos aceitar qualquer tipo de autoritarismo.”

Para a presidenta do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), Maria Izabel Azevedo Noronha, a Bebel, a CPI da Merenda Escolar não vai dar em nada. “O tom foi dado. A maioria arrasadora versus 1. É 8 a 1. Acho uma perda de tempo. Vai ser uma grande enrolação. Não acredito nessa CPI”, afirmou Bebel.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247