Uber lança serviço de táxi no Japão

O Uber não conseguiu levar serviços completos para o Japão, já que a regulação local proíbe condutores não-profissionais de transportar clientes, mas já opera seu serviço de entrega de encomendas UberEats em quatro cidades japonesas, incluindo Tóquio e Osaka.

Uber lança serviço de táxi no Japão
Uber lança serviço de táxi no Japão
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

(Reuters) - O Uber planeja lançar um serviço piloto de táxi no Japão, que conectará passageiros a outros provedores de táxi, enquanto busca expandir o negócio no país onde a empresa foi impedida de operar com uma frota própria de condutores.

Nos próximos meses, o Uber planeja fornecer seu aplicativo de passeio a moradores e visitantes de Awaji, ilha com população de cerca de 150 mil pessoas localizada perto de Osaka, para solicitar táxis operados por mais de 20 empresas locais.

O piloto será lançado até março de 2019.

“Atualmente estamos nos concentrando em parcerias com empresas de táxi no país”, disse a porta-voz do Uber Japão, Kay Hattori, nesta terça-feira. “Gostaríamos de expandir isso em todo o país.”

O Uber não conseguiu levar serviços completos para o Japão, já que a regulação local proíbe condutores não-profissionais de transportar clientes, mas já opera seu serviço de entrega de encomendas UberEats em quatro cidades japonesas, incluindo Tóquio e Osaka.

O aplicativo pode ser usado em Tóquio para conectar usuários com serviços de carro, enquanto o Uber também está conduzindo dois serviços pilotos para pessoas idosas em cidades rurais do Japão, já que o envelhecimento da população do país o torna atraente para as empresas.

No início deste ano, o presidente-executivo do Uber, Dara Khosrowshahi, disse a investidores que a empresa deve mudar a forma como faz negócios no Japão, acrescentando que se concentrará em parcerias com empresas de táxi.

Por Naomi Tajitsu

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247