Vale do São Francisco receberá Programa de Farmácias Vivas

A ideia é de instalar hortas medicinais, a partir do cultivo de diferentes espécies nativas e exóticas para a doação de mudas às as comunidades locais

Vale do São Francisco receberá Programa de Farmácias Vivas
Vale do São Francisco receberá Programa de Farmácias Vivas (Foto: Divulgação)

PE247 - Com o objetivo de instalar hortas medicinais, a partir do cultivo de diferentes espécies nativas e exóticas, o Centro de Pesquisa Agropecuária do Trópico Semiárido (CPATSA), Unidade pertencente à Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), vai iniciar o desenvolvimento de um projeto para o Estabelecimento de um Programa de Farmácias Vivas na região do Vale do São Francisco.

O projeto conta com recursos não reembolsáveis da ordem de R$ 82,6 mil, oriundos do Fundo de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Fundeci), administrado pelo Banco do Nordeste. As mudas serão doadas para as comunidades locais.

“O reconhecimento do potencial terapêutico das plantas medicinais nativas ou exóticas tem levado à busca por alternativas de tratamento seguras e eficazes, que proporcionem à população de baixo poder aquisitivo o acesso seguro a medicamentos e tratamentos adequados de saúde”, explicou a coordenadora da pesquisa, Ana Valéria Vieira de Souza. A iniciativa é inédita em Pernambuco

O uso de plantas medicinais é uma realidade em diversos municípios há mais de dez anos, sendo as espécies aroeira (Myracrodruon urundeuva), baraúna (Schinopsis brasiliensis), umburana de cheiro (Amburana cearensis) e alecrim do mato (Lippia gracilis), as mais utilizadas pela população.

Na primeira etapa da pesquisa, será feito um levantamento das espécies que compõem a lista do RENISUS, que é a Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse do Sistema Único de Saúde (SUS). Juntamente com esse banco de dados científico, será organizado um banco de dados com informações populares, de natureza etnobotânica ou etnofarmacológica, por meio de um Diagnóstico Rápido Participativo (DRP) com diferentes comunidades rurais.

Em seguida, serão instaladas duas coleções de plantas medicinais, sendo uma no Campo Experimental de Bebedouro, da Embrapa Semiárido, no município de Petrolina (PE), e outra na Universidade do Estado da Bahia (Uneb), em Juazeiro (BA). As coleções funcionarão como um horto de plantas medicinais, onde serão realizados cultivos de exemplares da flora regional e das espécies exóticas. “Também está prevista a instalação de dois hortos em locais diferentes, a fim de atender o maior número possível de interessados em cultivar e/ou difundir o uso de plantas medicinais na região”, adiantou a pesquisadora Ana Valéria.

Na segunda fase de execução do projeto, serão desenvolvidas atividades para o cultivo das plantas medicinais que constituirão as “farmácias vivas” nas comunidades e o controle de qualidade dos produtos obtidos. A manutenção das plantas e todo o manejo adequado serão acompanhados por um engenheiro agrônomo, a fim de garantir o cultivo orgânico e o controle de pragas e doenças sem produtos químicos.

Participam do projeto sete pesquisadores das unidades da Embrapa Semiárido (CPATSA), Recursos Genéticos e Biotecnologia (Cenargen) e Agroindústria Tropical (CNPAT), além da Universidade do Estado da Bahia (Uneb) e da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf). Todos possuem doutorado nas áreas de biotecnologia vegetal, fitotecnia, botânica, farmácia e desenvolvimento territorial.

Durante o período de 36 meses de execução do projeto, serão realizados cursos, palestras e aulas didáticas, além de mobilização de agentes multiplicadores. A expectativa dos pesquisadores, após a conclusão de todas as etapas, é viabilizar a instalação de uma pequena oficina farmacêutica para a elaboração de formulações fitoterápicas que poderão ser distribuídas nas comunidades.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247