Wagner: “Luta contra a corrupção não pode ser feita a qualquer custo”

Ex-ministro da Casa Civil do governo Dilma Rousseff, Jaques Wagner comenta a ação apresentada pelos advogados do ex-presidente Lula à Comissão de Direitos Humanos da ONU; "É preciso entender que a luta contra a corrupção não pode ser feita a qualquer custo. Não pode, sobretudo, atropelar direitos e garantias constitucionais, como ocorre nas investigações contra o ex-presidente. Foi por isso que Lula decidiu apresentar uma petição ao Comitê de Direitos Humanos da ONU", postou no Twitter; Wagner lembrou que "nenhum presidente na história do Brasil priorizou o combate à corrupção como Lula e Dilma"

Ex-ministro da Casa Civil do governo Dilma Rousseff, Jaques Wagner comenta a ação apresentada pelos advogados do ex-presidente Lula à Comissão de Direitos Humanos da ONU; "É preciso entender que a luta contra a corrupção não pode ser feita a qualquer custo. Não pode, sobretudo, atropelar direitos e garantias constitucionais, como ocorre nas investigações contra o ex-presidente. Foi por isso que Lula decidiu apresentar uma petição ao Comitê de Direitos Humanos da ONU", postou no Twitter; Wagner lembrou que "nenhum presidente na história do Brasil priorizou o combate à corrupção como Lula e Dilma"
Ex-ministro da Casa Civil do governo Dilma Rousseff, Jaques Wagner comenta a ação apresentada pelos advogados do ex-presidente Lula à Comissão de Direitos Humanos da ONU; "É preciso entender que a luta contra a corrupção não pode ser feita a qualquer custo. Não pode, sobretudo, atropelar direitos e garantias constitucionais, como ocorre nas investigações contra o ex-presidente. Foi por isso que Lula decidiu apresentar uma petição ao Comitê de Direitos Humanos da ONU", postou no Twitter; Wagner lembrou que "nenhum presidente na história do Brasil priorizou o combate à corrupção como Lula e Dilma" (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O ex-ministro da Casa Civil Jaques Wagner comentou nesta sexta-feira 29, em sua conta no Twitter, a ação apresentada ontem pelos advogados do ex-presidente Lula à Comissão de Direitos Humanos da ONU contra abuso de poder do juiz Sérgio Moro, que coordena as ações da Operação Lava Jato em primeira instância.

"Nenhum presidente na história do Brasil priorizou o combate à corrupção como Lula e Dilma. Nas gestões petistas, a PF e o MP cresceram em tamanho, estrutura e importância, trazendo inúmeros benefícios ao país", lembrou Wagner.

"É preciso entender, no entanto, que a luta contra a corrupção não pode ser feita a qualquer custo", acrescentou o ex-governador. "Não pode, sobretudo, atropelar direitos e garantias constitucionais, como ocorre nas investigações contra o ex-presidente", prossegue o petista.

"Foi por isso que Lula decidiu apresentar uma petição ao Comitê de Direitos Humanos da ONU. Na peça, que se tornou notícia mundo afora, o ex-presidente alega que tem sido vítima de abuso de poder por parte da Operação Lava Jato", explica ainda Jaques Wagner.

A petição apresentada por Lula à ONU ganhou destaque internacional nesta sexta, com reportagens sobre o tema em veículos como a agência Bloomberg, os jornais britânicos Financial Times e The Guardian e o norte-americano New York Times (leia mais).

Na petição, Lula alega violação dos direitos humanos na condução da Operação Lava Jato, que tem ele como um dos alvos. O advogado especializado em direitos humanos Geoffrey Robertson, que ficou conhecido por defender Julian Assange, explicou em vídeo que juízes não podem ser promotores, o que segundo ele vem ocorrendo no Brasil com Sérgio Moro.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247