Indígena Guarani Kaiowá é morto em área de conflito de terra

Segundo a associação Aty Guasu e o Conselho Indigenista Missionário (CIMI), Marcio Moreira foi assassinado após sofrer uma emboscada com outros dois indígenas

www.brasil247.com -
(Foto: Cimi)


247 - Um indígena foi morto, nesta quinta-feira (14), em Amambai (MS), em um conflito fundiário entre proprietários rurais e indígenas da etnia Guaranis Kaiowá. De acordo com a associação Aty Guasu e o Conselho Indigenista Missionário (CIMI), Marcio Moreira foi assassinado após sofrer uma emboscada com outros dois indígenas, um deles menor de idade, que escapou com ferimentos por arma. Lideranças disseram que o terceiro indígena foi preso pela polícia, acusado de ser o autor do crime. As informações foram publicadas nesta quinta (14) pelo jornal O Globo

Natanael Vilharva Cáceres, liderança Guarani Kaiowá e integrante do Aty Guasu, a grande assembleia nacional Guarani Kaiowá, disse que os indígenas "foram abordados por dois motoqueiros que apontaram arma para a cabeça dos dois". "O mais novo conseguiu derrubar a arma e correr, mas levou tiro de raspão. Já o Marcio Moreira morreu, com tiro na cabeça", continuou. 

De acordo com Cáceres, o terceiro indígena do grupo, que fugiu da emboscada, é Willis Fernandes, filho de Vitor Fernandes, morto no final de junho. Ele teria sido preso pela polícia, acusado como o autor do crime.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email