Pesquisadora propõe alternativa para reduzir evaporação de açudes e aumentar abastecimento hídrico no semiárido

A pesquisadora Mariana Padilha aponta para o potencial das usinas fotovoltaicas flutuantes, mas ressalta: o custo ainda é elevado

(Foto: REUTERS/Rodrigo Garrido)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - As usinas fotovoltaicas flutuantes podem ser uma opção produtiva para o problema de abastecimento hídrico nas regiões mais áridas do país, aponta estudo de viabilidade feito pela pesquisadora Mariana Padilha, em sua tese de doutorado defendida no Programa de Planejamento Energético (PPE) da Coppe/UFRJ.

Segundo a pesquisadora, dependendo do tamanho das usinas, o projeto na bacia Apodi-Mossoró (RN) poderia gerar 12 terawatts-hora (TWh) e evitar a evaporação de aproximadamente 124 Mm³ por ano.

“Como o Rio Grande do Norte possui atualmente 1.236.063 unidades consumidoras residenciais, a instalação das usinas flutuantes apenas sobre o volume morto dos açudes da Bacia do Apodi-Mossoró já seria capaz de abastecer todas as residências do estado”, afirmou Mariana.

A pesquisadora nota o potencial da tecnologia, mas ressalta o alto custo: “A tecnologia é nova, ainda na curva de aprendizado. Apesar do custo de implementação ser um pouco mais elevado, com as externalidades positivas a vantagem comparativa é grande”, diz. 

O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) apontou para a forte pressão sobre o semiárido brasileiro considerando aumento da temperatura de 1 a 3° C até o final do século XXI. O bioma abrange 13,2% do território brasileiro. 

Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email