Azevedo: com vergonha na cara, todos os procuradores da Lava Jato pediriam para sair

O jornalista Reinaldo Azevedo escreveu neste sábado (29) sobre os últimos diálogos revelados pelo The Intercept Brasil e afirmou que "defender os métodos da força-tarefa e do ex-juiz e suas relações com a política deixa de ser uma questão de avaliação, gosto ou rigor técnico. Trata-se de uma questão de caráter"; para Reinaldo "com vergonha na cara, todos os procuradores da Lava Jato pediriam para sair"

Reinaldo: ‘monstro do autoritarismo e do atraso, Moro vai se tornando uma figura patética’
Reinaldo: ‘monstro do autoritarismo e do atraso, Moro vai se tornando uma figura patética’ (Foto: Reprodução | PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O jornalista Reinaldo Azevedo escreveu neste sábado (29) que, "a cada nova informação que vem a público sobre diálogos travados entre procuradores da Lava Jato — com a participação de Sergio Moro ou sobre ele —, defender os métodos da força-tarefa e do ex-juiz e suas relações com a política deixa de ser uma questão de avaliação, gosto ou rigor técnico. Trata-se de uma questão de caráter e, vai ficando claro, de condescender ou não com ações criminosas. Lembrando sempre que a tarefa dos procuradores e do então juiz era… combater o crime."

Segundo Reinaldo, a última reportagem publicada neste sábado pelo Intercept Brasil "traz à luz diálogos verdadeiramente asquerosos dos membros da força-tarefa. Procuradoras e procuradores tinham clareza absoluta da atuação indevida de Moro; fazem considerações muito pouco lisonjeiras sobre ela; admitem por meio de palavras ou da anuência silenciosa 'violação [por Moro] do sistema acusatório', mas tomam a decisão — QUE TEM DE SER CHAMADA DE POLÍTICA — de endossar os desatinos do juiz.

Para Reinaldo, "com vergonha na cara, todos os procuradores da Lava Jato pediriam para sair".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247