Bruno Boghossian: “a desordem sempre foi o campo político de Bolsonaro”

O jornalista Bruno Boghossian afirma que Jair Bolsonaro "já conseguiu empurrar para os governadores parte do ônus da inevitável desaceleração provocada pela restrição à circulação de pessoas". "A desordem sempre foi o campo político de Bolsonaro", diz. "Bolsonaro só quer deixar o medo no ar"

247 - Em sua coluna publicada no jornal Folha de S.Paulo, Bruno Boghossian destaca que, na crise do coronavírus, Jair Bolsonaro "continua minimizando as chances de contaminação em massa e do colapso de sistemas de saúde". "Reconhece apenas a ameaça de desmoronamento econômico, em nome de ganhos políticos individuais", continua. 

"A falsa cegueira cumpre duas funções. O presidente já conseguiu empurrar para os governadores parte do ônus da inevitável desaceleração provocada pela restrição à circulação de pessoas. O discurso, além disso, deixa a porta aberta para uma postura ainda mais radical e para a adoção de medidas de exceção", afirma.

Segundo o jornalista, "a desordem sempre foi o campo político de Bolsonaro". "A ameaça de agitação e devastação é sua ferramenta favorita para intimidar adversários e desmerecer seus críticos. A agonia econômica é um perigo real, mas o presidente não oferece nenhuma saída concreta", diz.

"Não explica como o governo vai preservar a saúde de quem voltar ao trabalho e propõe uma retomada sem qualquer planejamento, depois desmentida pelo próprio vice-presidente. Bolsonaro só quer deixar o medo no ar".

Brasil 247 lança concurso de contos sobre a quarentena do coronavírus. Participe do concurso

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247