Bucci garante: imprensa não faz política. Então, tá

Ex-editor da revista do PT, ex-presidente da Radiobras e hoje colunista do Estadão e da revista Época, o acadêmico Eugênio Bucci, professor de Jornalismo na ECA-USP, enxerga um mundo ideal em que os veículos de imprensa cumprem apenas com sua função social, sem abraçar correntes políticas. Neste domingo, ele denuncia ainda um "furibundo fanatismo anti-imprensa", movido por mentes "autoritárias, intolerantes e mal-intencionadas"

Bucci garante: imprensa não faz política. Então, tá
Bucci garante: imprensa não faz política. Então, tá
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Eugênio Bucci, professor de Jornalismo da ECA-USP, já foi um quadro relevante do PT. Filiado ao partido desde o início dos anos 80, ele foi o primeiro editor da revista Teoria e Debate, editada pela Fundação Perseu Abramo. Depois disso, conciliou atividades acadêmicas com imersões em alguns veículos da chamada grande imprensa, tendo trabalhado, por exemplo, em Playboy, Superinteressante e Quatro Rodas – revistas do grupo Abril.

Quando Lula chegou ao poder, foi convidado para presidir a Radiobrás, braço de informação do governo federal que deu origem à Empresa Brasileira de Comunicação (EBC), e lá ficou de 2003 a 2007. Desde que saiu, no entanto, Bucci tem sido um dos principais porta-vozes das principais famílias que tentam controlar a informação no Brasil. Além de consultor de Roberto Civita, da Abril, ele escreve colunas na revista Época, dos Marinho, e no jornal Estado de S. Paulo, dos Mesquita.

A cada artigo, salvo raras exceções, ele se posiciona contra qualquer discussão sobre eventual regulação dos meios de comunicação. Neste domingo, em Época, ele defende a tese de que os veículos de imprensa cumprem apenas com sua função social, sem abraçar correntes políticas. Ele denuncia também um "furibundo fanatismo anti-imprensa", movido por mentes "autoritárias, intolerantes e mal-intencionadas".

Bucci ignora que, nos Estados Unidos e na Inglaterra, o império de Rupert Murdoch é cada vez mais questionado por agir como um partido político – numa definição colocada pelo próprio Barack Obama. No Brasil, nesta semana, os três principais jornais do País – Folha, Estadão e Globo – protagonizaram grandes erros porque permitiram que as intenções políticas se sobrepusessem à objetividade jornalística (leia mais aqui).

No entanto, segundo Bucci, quem discute a agenda política dos meios de comunicação, que são uma estrutura de poder (o quarto poder, afinal), age de maneira obscurantista. O que mudou tanto no Bucci dos anos 80 e no de agora? 

Abaixo, trecho de seu artigo em Época:

Esses jornais de oposição... 

A Folha de S.Paulo é “a vanguarda entre os veículos da imprensa empenhados em isolar o governo da opinião pública”. Num país em que a oposição não tem peito nem engenho para fazer oposição, as redações jornalísticas se encarregam de jogar as autoridades no descrédito. É assim, ao menos, que pensam os entusiastas do governo federal. Para eles, os jornais cumprem o papel que deveria ser dos partidos de oposição. Inconformados, os representantes do Palácio do Planalto contra-atacam, como fez o líder do partido do governo na Câmara dos Deputados, diante de mais uma reportagem crítica lida em plenário por algum adversário mal-agradecido. “Sinceramente, não encontramos aqui um pensamento inédito”, disse o parlamentar governista. Segundo ele, a imprensa apenas requenta fatos velhos para agredir quem trabalha sem descanso para melhorar a vida dos brasileiros. Os governantes, segundo essa visão, não passam de vítimas da maledicência, padecem sob o bombardeio de uma campanha articulada para desacreditá-los. O líder do partido do governo, no mesmo pronunciamento em que reclamou das notícias requentadas, foi severo e categórico em seu diagnóstico: os órgãos de imprensa “são o grande veículo dessa campanha articulada”. 

Antes de qualquer interpretação apressada, vamos esclarecer. As declarações transcritas no parágrafo acima não reproduzem falas de integrantes do governo Dilma Rousseff. São anteriores. Também não trazem recortes dos inflamados discursos de entusiastas do primeiro ou do segundo governos de Luiz Inácio Lula da Silva. Nem de beneficiários das duas gestões de Fernando Henrique Cardoso, ou do breve mandato de Itamar Franco, ou de Collor, ou mesmo de José Sarney. Elas vêm de um período ainda mais antigo, vêm dos tempos da ditadura militar.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email